Sefa apreende 100 toneladas de carga com suspeita de contrabando

Motoristas abandonaram as carretas e fugiram logo após relatarem que a carga era originária da China e não tinha nota fiscal.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Neste sábado (21), a Secretaria de Estado da Fazenda (Sefa) tomou as providências administrativas para o deslocamento de quatro carretas para Belém, após serem apreendidas por fiscais da Coordenação de Mercadorias do Itinga, em Dom Eliseu, no sudeste do Pará, na sexta-feira (20). Esta é a maior carga de contrabando já apreendida numa unidade fazendária estadual no Pará.

Os quatro veículos transportavam cerca de 100 toneladas de mercadoria irregular. Segundo a Sefa, durante a fiscalização na unidade fazendária, os motoristas apresentaram notas fiscais incompatíveis com a operação de transporte. Ao serem confrontados, informaram que a carga não tinha nota fiscal e era originária da China. Eles abandonaram as carretas no local e fugiram.

A equipe da Secretaria da Fazenda informou o fato à Receita Federal do Brasil, a quem caberá verificar a autenticidade da mercadoria e sua origem. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) também foi acionada, e irá apurar também possíveis crimes, como transporte de mercadoria ilícita.

De acordo com o coordenador da Coordenação do Itinga, Virgilio Gomes, as quatro carretas saíram do município de Acará. Três tinham como destino a cidade de Guarulhos, em São Paulo, e uma seguiria para Estreito, no Maranhão. “Ainda não sabemos com exatidão o conteúdo das carretas, mas tudo indica ser mercadoria importada. Os detalhes de quantidade e valores serão conhecidos durante a semana, com a fiscalização física que será feita na área metropolitana. É importante destacar a ação de fiscalização conjunta com a RF e PRF, o que garante o êxito da operação do início ao fim”, informou.

“A Secretaria da Fazenda viabiliza o local para dar suporte à operação de verificação da mercadoria. Se comprovado o contrabando, ou descaminho, tudo será entregue à autoridade fiscal federal”, acrescentou o fiscal de receitas estaduais.

Com informações da Sefa