Saúde de Parauapebas contrata “tira-teima” para síndrome respiratória

Novos testes vão detectar vírus Influenza e outros causadores de falta de ar, além de bactérias responsáveis por pneumonias. A medida é para evitar confusão em diagnósticos por Covid-19.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O governo do segundo município mais rico do Pará fez contratação direta, no valor de R$ 436,9 mil, de uma empresa que vai fornecer testes complementares para detecção de outras doenças respiratórias que apresentem sintomas semelhantes aos da Covid-19 e que, por isso, podem confundir o diagnóstico. As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu e podem ser conferidas aqui.

Pelo menos seis tipos diferentes de testes estão sendo adquiridos pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) de Parauapebas para acelerar os resultados. Um deles é o exame para detecção de vírus da família Influenza (H1N1, H1N1/2009, H3N2, 1-14N6, 1-15N 1, H5N3. H6N5, H7N1, H7N2, H8N4 e H9N2). Foram adquiridos 1.700 desses testes, cada um dos quais a R$ 75. Além disso, foram comprados 650 testes para cada um dos seguintes micro-organismos vilães: o vírus sincicial respiratório (R$ 75 cada exame), o adenovírus (R$ 128 cada teste), a bactéria “Legionella pneumophila” (R$ 128 cada), a bactéria “Streptococcus pneumoniae” (R$ 93 cada) e as bactérias do grupo A do gênero estreptococos (R$ 52 cada).

A escolhida para fornecimento dos testes é a Methabio Farmacêutica do Brasil. Segundo a Semsa, a proposta financeira ofertada pela empresa para distribuição dos testes foi a mais vantajosa. A pasta diz que também participaram da seleção as empresas Projec Produtos Científicos e a Prodlab Produtos Laboratoriais, convidadas por email para apresentar orçamentos dos testes em questão.

Vale lembrar que a Prefeitura de Parauapebas já adquiriu 1.000 testes rápidos para a Covid-19 no valor de R$ 130 mil em março e, recentemente, em abril, fez mais uma compra emergencial de 9.000 testes no valor de R$ 1,8 milhão. Em nota, a Semsa alega que solicitou os testes em caráter emergencial por considerar que “o município de Parauapebas é, reconhecidamente, uma área de alto trânsito de pessoas advindas de outros municípios”. A medida, segundo a pasta, vai garantir diagnóstico precoce, com vistas à implementação de ações epidemiológicas para enfrentamento e controle da pandemia.

“O objetivo da Semsa ao adquirir esses testes é permitir identificar com agilidade síndromes respiratórias agudas análogas as do novo coronavírus, já que, de acordo com os Boletins Epidemiológicos divulgados pela Vigilância, metade dos casos notificados pela secretaria são descartados para COVID-19. Essas comprovações trarão agilidade não só nas confirmações, mas no início do tratamento para enfermidades alheias à pandemia”, informou Paulo Vilarinhos, adjunto da secretaria de saúde de Parauapebas.

Até ontem (6), Parauapebas havia confirmado 237 casos do novo coronavírus, que está se espalhando em franca transmissão comunitária. O município registra 23 óbitos. É muito mais que o registrado oficialmente por Goiânia, metrópole com 1,5 milhão de habitantes e que até ontem contabilizava 20 mortes por Covid-19.