Santana do Araguaia: PC deflagra Operação “Feneratori” que investiga agiotagem e outros crimes

A operação foi deflagrada nesta segunda-feira (31) e contou com contingentes da Polícia Civil do Pará e Tocantins. Foram cumpridos quatro mandados de busca domiciliar nas cidades de Santana do Araguaia e Palmas (TO)
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A Delegacia de Polícia Civil de Santana do Araguaia, no sul do Pará, deflagrou, na manhã desta segunda-feira (31), a Operação “Feneratori”, que investiga a prática de agiotagem, extorsões e falsidades documentais. A operação, que envolveu 16 policiais civis do Pará e Tocantins, deu cumprimento a quatro mandados de busca domiciliar nas cidades de Santana do Araguaia e Palmas (TO).

Segundo a Polícia Civil do Pará, a investigação iniciou após um idoso procurar a Delegacia de Santana do Araguaia para denunciar que um homem, que supostamente era agiota, teria falsificado a sua assinatura no verso de alguns cheques, colocando-o na condição avalista de um título de crédito. Ainda segundo a vítima, esse suposto agiota começou pressioná-la para que quitasse as dívidas, que não foram pagas pelo devedor originário.

As pressões teriam ficado mais incisivas, inclusive o acusado chegou a esperá-lo, uma vez, na porta de sua. O caso está sendo investigado pelo delegado Diego Máximo.

De acordo com o delegado, a realização das buscas domiciliares teve como objetivo a apreensão de coisas achadas ou obtidas por meios criminosos, instrumentos de falsificação e outros objetos necessários à prova da infração ou à defesa do réu, assim como quaisquer elementos de convicção que contribuam para a elucidação dos fatos. “A operação não busca obter elementos de prova para nenhuma das partes [acusação ou defesa], pois isto será mera consequência da investigação, mas apenas elucidar os fatos e descobrir a verdade, em todos os seus detalhes”, esclarece Diego Máximo.

Segundo o delegado, apesar de a agiotagem ser uma prática socialmente aceita, “isto não faz com que ela deixe de ser crime, principalmente quando acompanhada de delitos mais graves, a exemplo de extorsões e falsificações, como aparenta ser o presente caso”. Participaram da operação a 13ª Superintendência Regional da Polícia Civil do Pará e a Diretoria de Polícia Civil de Palmas, chefiadas pelos delegados Luciano Freitas e Gustavo Henrique, respetivamente.

O delegado Diego Máximo acrescenta que “a Polícia Civil está pronta para receber quaisquer denúncias destes e de outros crimes eventualmente ocorridos em Santana do Araguaia”.

Tina DeBord

Publicidade