Rio Tocantins sobe em Marabá e já expulsou 60 famílias de casa

Defesa Civil executa plano de contingência e atende aos desabrigados com mudança para abrigos provisórios e atendimento social. Secretarias municipais, Bombeiros e Exército estão envolvidos no processo
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Em Marabá, o nível do Rio Tocantins amanheceu com 10,24 metros acima do nível normal, nesta sexta-feira (13) e, desde quarta-feira (11), ultrapassa o limite de alerta que é de 10 metros. Em razão disso, abrigos estão sendo construídos pela prefeitura para atender às primeiras famílias atingidas pela enchente.

Desde o início do ano, a Defesa Civil já tinha pronto um plano de contingência, caso as águas subissem a ponto de desabrigar famílias nas partes mais baixas da cidade. As ações planejadas envolvem o Corpo de Bombeiros, Exército, Serviço de Saneamento Ambiental, Secretarias Municipais de Saúde, de Obras e de Assistência Social, além de órgãos de Segurança Pública.

As primeiras famílias atingidas pela enchente são de áreas do Bairro Santa Rosa e da Vila Canaã, na Marabá Pioneira. Para isso, a Prefeitura de Marabá, por meio da Secretaria de Obras, está construindo 30 abrigos no estacionamento da Colônia de Pescadores Z-30 e outros 20 no ginásio da Obra Kolping do Brasil, no Bairro de Belo Horizonte.

A Defesa Civil também disponibiliza caminhões para fazer a mudança das famílias. Nesta sexta-feira (13), o Exército vai dar apoio as ações disponibilizando soldados e veículos para o transporte dos atingidos. Uma equipe da Secretaria de Assistência Social – Seaspac está fazendo o cadastro das famílias na sede da Defesa Civil, na Marabá Pioneira. Até o momento, 60 famílias foram cadastradas.

De acordo com Jairo Milhomem, coordenador da Defesa Civil de Marabá, o plano de contingência já está em ação, sendo montadas as estratégias desde o início do monitoramento do nível do rio. “Nós temos as áreas mais baixas como o Bairro de Santa Rosa que é a que precisa de mais apoio no momento”, explicou.

O coordenador orienta as pessoas que se sintam ameaçadas pelo o avanço do nível dos rios a procurarem o quanto antes a Defesa Civil para fazer o cadastro na Seaspac, a fim de que sejam atendidas o mais rapidamente possível.

Por Eleuterio Gomes – Correspondente do Blog do Zé Dudu em Marabá, com informações da Ascom PMM. Fotos: Defesa Civil  

Publicidade