Redenção vai licitar milhões para testes de covid e remédios sem eficácia

Município mais rico do sul do Pará está disposto a gastar até R$ 851 mil em azitromicina, R$ 620 mil em ivermectina, R$ 269 mil em cloroquina e R$ 498 mil em hidroxicloroquina. Pode?
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Está circulando na praça um edital de pregão eletrônico lançado pela Prefeitura de Redenção, a mais rica do sul do Pará, para comprar testes de diagnóstico da Covid-19 e, curiosamente, medicamentos sem eficácia comprovada, cuja recomendação, aliás, tornou-se um calo no sapato para o Governo Federal, com críticas por todos os lados. A sessão do pregão está marcada para o próximo dia 18.

As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu e podem ser checadas no mural de licitações do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), aqui https://www.tcm.pa.gov.br/mural-de-licitacoes/licitacoes/ficha/QT6VFMPRURx4UU#licitacao. O valor projetado da compra, considerando-se o preço médio por item e as quantidades estimadas que podem ser necessárias, chega a R$ 10,207 milhões. Mas a Prefeitura de Redenção observa que o menor valor para a cotação de preços é R$ 3,705 milhões. Não quero dizer que o município vá comprar os R$ 10 milhões, mas o cálculo da intenção existe.

Além de R$ 5 milhões para compra de um tipo de teste (nasal) e de R$ 2,896 milhões para aquisição de outro tipo (sorológico, IGG/IGM), chama atenção a vontade de adquirir medicamentos que são alvo de polêmica por não terem eficácia cientificamente comprovada. É o caso do vermífugo ivermectina, do antibiótico azitromicina e das tão comentadas cloroquina e hidroxicloroquina, que diariamente estão nos holofotes.

O governo de Redenção está disposto a gastar por 200 mil comprimidos de azitromicina até R$ 851 mil, enquanto poderá desembolsar R$ 620 mil por 500 mil comprimidos de ivermectina. Os 100 mil comprimidos de cloroquina enfiados no pacote poderão custar R$ 269 mil aos cofres do município, enquanto os 100 mil comprimidos de hidroxicloroquina são orçados em R$ 498 mil.

A prefeitura local justifica que a aquisição dos testes e dos medicamentos visa ao “fortalecimento das ações de enfrentamento, diagnóstico e tratamento” dos casos de covid e ainda reconhece que “alguns dos medicamentos solicitados não fazem parte da Farmácia Básica”.

Não recomendada

No início deste ano, o Conselho Nacional de Saúde (CNS) encaminhou ofício ao Ministério da Saúde pedindo revogação de qualquer instrumento (nota técnica, nota informativa, orientações, protocolos ou ofícios) que incentive o uso de medicamentos para Covid-19, sem eficácia e seguranças comprovadas e aprovadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Em maio do ano passado, o CNS publicou nota alertando sobre os riscos do uso da cloroquina e hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19. O Conselho se posicionou contrário ao documento do MS com orientações para tratamento medicamentoso precoce de pacientes com diagnóstico da Covid-19. O Governo Federal tem recuado e dito que não orienta “tratamento precoce”, e sim “atendimento precoce”.