Receita da Prefeitura de Marabá aumenta R$ 100 milhões de 2018 para 2019

Ave-fênix, município ressurgiu das cinzas de 2016, ano em que se viu enrolado até o pescoço com lei fiscal. Tião arrecada hoje mais que triplo de quando entregou prefeitura em 2008.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Às vésperas de cravar para Marabá o primeiro bilhão em arrecadação, o governo de Tião Miranda já pode celebrar 2019 como um ano excepcional, do ponto de vista fiscal. Em 12 meses corridos, entre novembro de 2018 e outubro de 2019, a prefeitura do município mais importante da porção sudeste do Pará faturou R$ 970,16 milhões em receita corrente, sendo R$ 878,97 milhões em receita líquida. É o melhor resultado financeiro da história do mais que centenário município.

As informações foram levantadas com exclusividade pelo Blog do Zé Dudu nesta terça-feira (3), após o governo local ter dado publicidade no portal da transparência ontem (2) a uma parte dos anexos do Relatório Resumido da Execução Orçamentária (RREO) do 5º bimestre. A Prefeitura de Marabá, no entanto, encaminhou o balanço completo à Secretaria do Tesouro Nacional (STN) na última sexta-feira (29), dentro do prazo como manda o figurino.

Os resultados financeiros e fiscais alcançados por Tião Miranda — que, em 2017, ao assumir, encontrou a Prefeitura de Marabá em frangalhos — são exuberantes. Ele mesmo, Tião, entregou a administração do município, em 2008, com receita de R$ 293,22 milhões. Recebeu um Poder Executivo que vinha, em 2016, de uma arrecadação de R$ 745,18 milhões, mas toda estourada do ponto de vista da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), com a despesa com pessoal — a pior de todas — comprometendo 56,41% da receita líquida e, portanto, acima do teto constitucional de 54%.

Arrecadação cada vez mais livre

Este ano, Tião Miranda já viu sua administração faturar R$ 100 milhões a mais que no mesmo período do ano passado, quando a receita corrente para 12 meses corridos foi de R$ 868,72 milhões. Isolando-se apenas os dez meses de 2019 para confronto com o mesmo período do ano passado, o resultado é R$ 810,29 milhões ante R$ 716,45 milhões em 2018. A receita líquida, aquela livre de deduções para uso, é de R$ 734,28 milhões em dez meses deste ano. No mesmo período do ano passado cravou R$ 654,33 milhões.

E o principal: quase R$ 300 milhões dessa receita são gerados localmente, o que difere as finanças de Marabá das de Parauapebas, por exemplo. Apesar de Parauapebas arrecadar muito mais, sua prefeitura é extremamente dependente de transferências externas (inclusive dos cobiçados royalties de mineração): na capital do minério, dos R$ 1,609 bilhão arrecadados, menos de R$ 240 milhões são “direitos autorais”. Enquanto Parauapebas é 85% dependente, Marabá já é 30% livre e seu risco de colapso é, hoje, inexistente por já possuir cadeias econômicas bem adensadas, como agronegócio, polo universitário, comércio, serviços e indústria de transformação.

De “caxias” a superavitário

Seja como “mão de vaca”, seja como “pão duro”, seja também como “caxias”, uma coisa é certa: uma das características pessoais marcantes de Tião Miranda é a do zelo pelo resultado primário das contas que gerencia. Em sucessivos bimestres, ele tem gastado menos do que o que arrecada, e isso se reflete em estatísticas e números positivos para o seu governo. Tião desconhece o que vem a ser rombo fiscal em sua passagem pela Prefeitura de Marabá no atual mandato e, do ponto de vista numérico, é o mais bem-sucedido prefeito pelos indicadores fiscais alcançados.

De janeiro a outubro deste ano, as despesas ordenadas por ele foram inferiores às receitas primárias de forma tal que o resultado não poderia ser outro: a Prefeitura de Marabá apresentou lucro (superávit fiscal, em linguagem técnica) de R$ 26.916.951,70, conforme analisou o Blog do Zé Dudu — embora a administração não tenha, até as 11 horas desta terça, publicado o anexo 6 do RREO, que trata de resultado fiscal. É o 5º melhor resultado, até o momento, entre as prefeituras do estado. É o sinal claro, também, de que, às vezes, e em se tratando de recursos públicos, ser “pão duro” é sinônimo de sucesso.

Publicidade

Relacionados