Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Marabá

Projeto premiado pelo Unicef gera esperança em Marabá

Jovens tornam-se protagonistas de seu futuro e servem de espelho para colegas de uma comunidade marginalizada

O projeto ecocultural e socioeducativo enraizado na comunidade Cabelo Seco, em Marabá, entra na preparação final de sua coordenação juvenil para o ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio), e também rumo ao segundo Fórum Bem Viver, que acontecerá em Moeda, Minas Gerais, no período de 15 a 18 de novembro próximo. E os coordenadores convidam a comunidade e a cidade inscrever-se nos cursos de Dança, Percussão e Violão, que continuam até o VII Festival de Beleza Amazônica, em dezembro.

Dan Baron e Manoela Souza, coordenadores do projeto, acabam de retornar de Florianópolis, Santa Catarina, e participam de grupos de estudo de matemática e português com os colaboradores voluntários Ariel Barros, do Movimento dos Atingidos pela Mineração, e Rayssa Mascarenhas, estudante da Unifesspa. “Este ano, a coordenação juvenil faz a gestão de sua preparação acadêmica. “Mas percebemos o quanto a persistência leva para aprender a estudar, não colar, e resgatar uma inteligência flexível. Pela primeira vez, com apoio solidário de Ariel e Rayssa, nossos artistas estão descobrindo como analisar sua própria língua e afinar sua inteligência”, ressalta Manoela Souza.

Na semana passada, Rios de Encontro foi contemplado como um dos 100 semi-finalistas – entre 3.500 candidatos – do Prêmio Itaú-Unicef, pelo seu projeto Gira-Sol: gestão de energias vitais.

Manoela Souza reconhece o avanço dos jovens artistas, cujos micro-projetos de dança AfroMundi, Biblioteca Folhas da Vida, tambores AfroRaiz, Rabetas Vídeos e BiciRádio Solar compõem Gira-Sol. “Mas reconhecemos, também, um aumento trágico de pobreza e violência na cidade. Há muitas crianças passando fome e tantos jovens pressionados a  traficar seu corpo e seu futuro. Acreditamos na educação e em projetos sociais, como caminhos de transformação social sustentável, não no aumento de armas na rua, escola e casa”.

Veja também:  Congresso Paraense de Educação Especial bate recorde de público em Marabá

Nesta semana, Rios de Encontro foi convidado, entre 04 projetos no mundo, para orientar as Nações Unidas sobre sustentabilidade, enraizada em comunidades organizadas. “Nosso projeto ‘Salus: Corpo feminino como território de luta pelo bem viver’ (que recebe apoio do Fundo Elas/Instituto Avon), junto com energia solar e auto-confiança cultural, chamou atenção das Nações Unidas. Perceberam nossa integração de curas para as sequelas de múltiplas violências que o Pará vem sofrendo, cuidado com direitos humanos, resgate e reinvenção das raízes tradicionais, e proteção da Amazônia. Todas estas dimensões no indivíduo definem sua energia vital, e a energia de sua comunidade e cidadania. Mudas entregues de casa em casa tocam a comunidade, desenvolvem consciência ambiental em toda geração, valorizam saberes familiares e cultivam uma ecologia que cuida do bem viver hoje e amanhã”, diz Dan Barons.

Artigos e capítulos foram publicados em revistas internacionais e livros acadêmicos nos meses de verão. “Preparamos juntos nosso calendário artístico-pedagógico e debatemos tudo escrito. Agora, temos uma bolsa de estudo para nos ajudar a escrever, não somente redações no ENEM, mas relatórios e projetos, como base para advogar o bem viver como projeto alternativo à violência e destruição da esperança”, sintetiza Elisa Neves, coordenadora do projeto Salus.

Deixe uma resposta