Prefeituras do Pará vão torrar quase R$ 65 milhões nesta quarta; veja como

No carrinho de compras tem de tudo: de merenda a medicamentos; de combustíveis a veículo zero; e de dentaduras a funerais. Gastos variam de R$ 100 mil em Castanhal a R$ 14 milhões em Cametá. Mas as cidades do Pará não se desenvolvem nem com licitação de “reza braba”.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A julgar pelo volume de recursos que 18 prefeituras de todas as regiões paraenses estão dispostas a estourar hoje, quarta-feira (19), seria possível supor que está tudo na mais perfeita ordem nos municípios do estado. Mas a realidade é outra, dura e cruel, já que as cidades do Pará, a cada pesquisa nacional que vem à tona, desfila sempre como as piores do Brasil, o que já nem parece mais abalar as autoridades competentes locais tamanhas a frequência e a inércia com que as mazelas municipais são expostas.

Grosso modo, a única coisa que falta licitar nos municípios por seus gestores é o fornecimento de serviços de “reza braba”, para ver se as cidades paraenses avançam, já que são consideradas pocilgas urbanas em quesitos como, por exemplo, saneamento básico. Prefeitos e demais ordenadores de despesas empenham-se em liquidar tanto dinheiro público que nem se dão conta de que os resultados efetivos não chegam à população a contento. E já perderam até a vergonha pela exposição nacional.

O Blog do Zé Dudu mapeou a abertura de propostas comerciais em nada menos que 25 licitações que terão desfecho nesta quarta, totalizando R$ 64.205.430,89. Mais da metade desse valor está concentrada em apenas três aquisições bancadas pelos governos de Cametá, Belém e Capitão Poço. Merenda e combustíveis lideram os pedidos.

Publicidade