Prefeitura e Exército levam ajuda humanitária ao povo Xikrin

A comunidade Xikrin sofre com a disseminação do novo coronavírus nas aldeias, que já fez quatro vítimas fatais
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A Prefeitura de Parauapebas enviou ontem (4) ajuda humanitária para os índios Xikrin do Cateté, que sofrem com o assolamento do novo coronavírus nas aldeias da comunidade. Além da prefeitura, o Exército também está realizando ação social e de saúde no local.

Segundo a prefeitura, ontem foram enviadas ajuda às comunidades das aldeias Ôodjã, Djudjekô, Kateté, Pokrô e Krimei. Foram envidas 480 cestas básicas e 500 testes rápidos, além de máscaras, álcool em gel e 605 kits de alimentação para as crianças.

Os profissionais de saúde que estão atuando nas aldeias também receberam equipamentos de proteção individual (EPIs). De acordo com o Departamento de Relações Indígenas da prefeitura, essa é a segunda remessa de ajuda enviada à comunidade Xikrin, que vai atender todas as famílias que vivem nas aldeias, que totalizam cerca de duas mil pessoas.

A Secretaria Municipal de Educação (Semed) destaca que já repassou 605 kits de alimentação escolar para as famílias dos alunos indígenas, no final de abril, e uma nova remessa deve ocorrer nos próximos dias. Segundo a Semed, o envio da alimentação para as localidades é fundamental para evitar o deslocamento dos indígenas para a cidade, onde estarão ainda mais expostos ao vírus.

O prefeito Darci Lermen ressalta que Parauapebas está travando uma verdadeira guerra contra o novo coronavírus e, nessa frente de batalha, está o socorro às comunidade indígenas, onde o vírus já fez vítimas fatais. “Estamos enfrentando uma guerra contra esse vírus em nossa cidade e, infelizmente, o povo indígena também já foi alcançado. Não estamos medindo esforços para ajudar nossa população nesse combate, tanto para quem mora na cidade quanto na zona rural ou nas aldeias”, diz o prefeito, que autorizou a cessão de insumos de saúde para as aldeias.

Escolas em duas aldeias se transformarão provisoriamente nas Unidades de Atenção Primária Indígena da Covid-19, com estruturas de saúde que estão sendo montadas com o apoio do Exército Brasileiro, que está desde o início da semana na Terra Xikrin. O objetivo é disponibilizar um atendimento rápido para quem apresentar os sintomas da doença e evitar o agravamento da enfermidade.

Além disso, muitos índios, devido a sua cultura, se recusam a sair da aldeia para ser atendidos em hospitais da cidade. Segundo o governo municipal, a prefeitura dará apoio a ação do Exército com insumos e equipamentos para a realização desses atendimentos médicos.

A prefeitura observa ainda que o atendimento de saúde aos povos indígenas é realizado pela Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), órgão do governo federal, mas que o município sempre deu apoio em todas as ações desenvolvidas nas aldeias que estão na área de Parauapebas, já que a Terra Xikrin também abrange outros municípios, como Água Azul do Norte.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, até a tarde de ontem foram registrados quatro óbitos de índios por Covid-19 na comunidade  Xikrin. Entre as vítimas que faleceram está o cacique Bep Baroti Xikrin.

(Tina Santos- com informações da PMP)

Publicidade