Prefeitura de Parauapebas vai licitar estação de tratamento de esgoto

Obra da ETE do Tropical tem custo estimado em R$ 20 milhões, deve empregar cerca de 300 trabalhadores e, quando concluída, beneficiar 75 mil habitantes, praticamente uma “Redenção”
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A volta do recesso no governo de Darci Lermen promete ser a mil por hora, marcada por licitações e pela continuidade de obras estruturantes no eixo de saneamento básico. Na próxima segunda-feira (2), a Prefeitura de Parauapebas vai conferir propostas comerciais com vistas a contratar a empresa responsável por executar serviços de ampliação e melhoria da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do Bairro Tropical.

A confirmação da licitação foi publicada na edição desta terça-feira (27) do Diário Oficial da União (DOU) e pode ser conferida aqui. A ETE integra o pacote do Programa de Saneamento Ambiental de Parauapebas (Prosap) e tem custo estimado pelo governo local em R$ 19,32 milhões. As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu.

Além dos benefícios do saneamento básico, a obra deve gerar cerca de 300 postos de trabalho com carteira assinada na construção civil durante a etapa de implantação, que é de 12 meses, conforme consta do edital da concorrência. Quando as obras tiverem contratado os trabalhadores em seu pico, deverá jorrar cerca de R$ 10 milhões em massa salarial na praça, superaquecendo o comércio e gerando emprego e renda a pais de família.

De acordo com a Unidade Executora do Prosap (UEP), responsável pela licitação, a ampliação da potência da ETE do Tropical é parte do sistema de esgotamento sanitário que o Prosap almeja desenvolver para, ao final programa, garantir saneamento básico a 100% da população urbana da Capital do Minério. Quando isso ocorrer, serão solucionados problemas na área de saneamento ambiental, revitalizados os igarapés, realocadas as famílias das áreas de risco e ampliada a capilaridade viária no entorno das áreas públicas, melhorando a paisagem urbana e, sobretudo, a qualidade de vida das pessoas.

75 mil habitantes alcançados

A estação de tratamento do Tropical receberá efluentes em duas fases, sendo que na primeira acomodará os resíduos gerados pelos bairros Tropical 1 e 2, Ipiranga, Novo Viver, Novo Tempo, Amec Ville, Vale do Sol, Jardim Ipê, Casas Populares 2, Polo Moveleiro e Minérios. Na segunda fase, por sua vez, os bairros Altamira, Betânia, Novo Horizonte, Jardim Canadá, Casas Populares 1 e Vila Rica terão seus esgotos direcionados àquela ETE.

Em termos numéricos, cerca de 75 mil habitantes dos bairros integrantes da primeira fase serão beneficiados com o sonhado saneamento básico. O complexo Tropical foi, durante boa parte da década passada, uma das zonas de maior adensamento populacional na década passada e só perdeu o título para a VS-10, para onde uma parte da população marchou após a ocupação desenfreada às margens da PA-160.

Em justificativa, a Unidade Executora do Prosap diz que os bairros da segunda etapa serão interligados futuramente à ETE do Tropical. “É objeto deste projeto básico apenas a execução da primeira etapa de ampliação da ETE do Tropical, a qual, ao final das obras, terá capacidade para receber efluentes dos bairros já mencionados”, esclarece.