Polícia Militar prende traficante e acaba com festa no Bairro Nova Carajás

A aglomeração, além de colocar pessoas em risco de contaminação pelo novo coronavírus, servia de mercado para a venda de cocaína e maconha
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Por volta das 23h55 de sábado (27), uma guarnição das Rondas Ostensiva com Apoio de Motos (Rocam), do 23° Batalhão de Polícia Militar de Parauapebas, apresentou na 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil, acusado de tráfico de entorpecentes, o jovem Marlon Breno Brito de Oliveira, de 19 anos de idade.

De acordo com os policiais da equipe, a prisão dele se deu durante rondas de rotina, quando os PMs foram informados por um transeunte, que pediu para não ser identificado, de que na Rua 89 do Bairro Nova Carajás, estaria ocorrendo uma festa com grande número de pessoas, inclusive menores de idade.

Mediante a informação, a guarnição solicitou apoio de outras viaturas e, em seguida, os policiais se deslocaram para o endereço informado, constatando que a denúncia era verdadeira.

No espaço em que estava ocorrendo o evento várias pessoas passaram por revista pessoal, inclusive Marlon de Oliveira. Em um dos bolsos dele foram encontrados 17 papelotes de cocaína e quatro de maconha. Com base no flagrante, ele recebeu voz de prisão.

Quanto à aglomeração de pessoas no espaço, contrariando os protocolos de prevenção contra a contaminação pelo novo coronavírus, os policiais militares dispersaram a reunião festiva.

Marlon Breno Brito de Oliveira, assim como a droga apreendida com ele, foi conduzido para a 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil, onde o delegado de plantão Dufrae Abade Paiva realizou os procedimentos cabíveis    onde foi realizado os procedimentos adequados ao caso.

Afogamento

Na sexta-feira (26), por volta das 18h, Francilene da Costa Moreira, 43 anos, encontrou o corpo do filho Luan Moreira da Cruz, 22 anos, boiando nas águas da represa da propriedade da família, na Vila Palmares I, Estrada do Salobo. O rapaz, que sofria de epilepsia, saiu mais cedo, escondido da mãe, para pescar. Quando a mulher sentiu falta dele e sai para procurá-lo, já o encontrou sem vida. Luan, supõem os familiares, provavelmente teve uma crise de epilepsia quando estava dentro da represa. O fato foi registrado em Boletim de Ocorrência na 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil.

(Caetano Silva)