Polícia Federal deflagra operação de combate ao desmatamento no Pará

A Operação “SOS JAMANXIM”, deslanchada na manhã desta quarta-feira (6), aponta que mais de 30 mil hectares de floresta já foram desmatados pelos alvos da operação no estado
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Operação “SOS JAMANXIN” investiga desmatamento criminoso na Flona Jamanxin

Continua depois da publicidade

Na manhã desta quarta-feira (6), a Polícia Federal deflagrou a Operação “SOS JAMANXIM”, com o objetivo de combater o desmatamento ilegal na Flona do Jamanxim, Unidade de Conservação criada pelo Decreto Presidencial, s/n, no de 13 de fevereiro de 2006. A reserva tem uma área total de mais de 1.300.000 hectares e está localizada no município de Novo Progresso, sudoeste do Pará.

Segundo a PF, a operação, que está em andamento, conta com 60 policiais federais, para dar cumprimento a quatro mandados de prisão temporária e 18 mandados de busca e apreensão, todos expedidos pela Justiça Federal, Subseção Judiciária de Itaituba. Houve, ainda, o decreto de sequestro/bloqueios de bens até o valor de mais de R$ 310 milhões, visando à reparação do dano ambiental, conforme valores quantificados em laudos periciais.

Ainda de acordo com a Polícia Federal, as diligências estão em cumprimento em três estados: Pará, Mato Grosso e Santa Catarina. As investigações conduzidas pela PF, que utiliza dados de imagens de satélite de alta resolução do Programa Brasil Mais Planet, apontam que a organização criminosa já desmatou mais de 30 mil hectares de floresta no Pará, que equivalem a 30 mil campos de futebol.

Os laudos demonstram que cerca de 16 mil hectares desmatados estão localizados dentro da Flona do Jamanxim, acumulando, desde a sua criação, mais de 160 mil hectares de floresta devastada.

De acordo com a PF, a modalidade de desmatamento praticada na área – corte raso – é considerada a mais danosa à natureza, pois realiza a remoção total de qualquer forma de cobertura vegetal, com objetivo de promover plantio de pasto e criação de gado. “O modus operandi dos criminosos é sempre o mesmo: invadem terras públicas da União, fazem o corte seletivo da madeira economicamente viável e depois suprimem toda a vegetação, inclusive, com uso de fogo, para plantio de pasto e criação de gado”, diz a PF.

Os crimes investigados são: associação criminosa, desmatamento em unidades de conservação e/ou terras públicas, usurpação de terras públicas, produção de documentos falsos e uso de documentos falsos, todos os crimes descritos no Código Penal Brasileiro e na Lei Ambiental, com penas previstas superiores a 20 anos de reclusão.

Segundo a PF, o nome da operação faz alusão à área da Unidade de Conservação desmatada.

Tina DeBord- com informações da PF