Polícia Civil prende dois homens acusados de estupro de vulnerável

Havia mais de um ano que eles abusavam de três meninas, uma de 12 e duas de 13 anos de idade, em troca de dinheiro
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Foram presos pela Polícia Civil, no Bairro Rio Verde, na manhã desta terça-feira (31), Antônio Santiago, 70 anos, e Rathony Soares, 53. Ambos são acusados de estupro de vulnerável e aliciamento de adolescentes à prostituição. Após depoimento à delegada Ana Carolina de Abreu, titular da Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher), os dois passaram por exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal e, por volta da 17h, transferidos para a CPP (Cadeia Pública de Parauapebas). Antônio e Rathony foram presos em cumprimento a mandado expedido pelo juízo da 1ª Vara Criminal do município.

Na Deam, as vítimas, uma menina de 12 anos e duas de 13, relataram que um dos acusados pagava para que elas o deixassem tocar nas partes íntimas delas e também para que elas apalpassem as partes íntimas dele.

Acerca do outro acusado, este dono de um pequeno comércio, além de fazer a mesma coisa que o outro acusado, manteve relações sexuais com as meninas, para quem dava dinheiro e produtos de seu estabelecimento.

A mãe de uma das meninas passou a suspeitar de que alguma coisa estava errada quando a garota adotou comportamento agressivo dentro de casa, faltava às aulas e chegava da rua com dinheiro, sem explicar a origem.

Na conversa com a filha nada conseguiu descobrir, então procurou a escola, onde as profissionais de educação conseguiram tomar conhecimento de tudo o que estava acontecendo havia cerca de um ano.

Os dois acusados, interrogados pela delegada Ana Carolina, negaram tudo, disseram que as meninas poderiam tê-los confundido com outras pessoas parecidas. Porém, as vítimas foram muito seguras em reconhecer ambos.

À Reportagem, a delegada Ana Carolina de Abreu disse que o caso não terminou por aí, afirmando que as investigações seguem até que sejam presas outras pessoas envolvidas na escabrosa história.

(Caetano Silva)

Publicidade