Podemos pede afastamento de Alcolumbre da CCJ após denúncia de “rachadinha”

Pedido foi protocolado na Mesa Diretora do Senado
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Senador Davi Alcolumbre paralisou unilateralmente os trabalhos na CCJ

Continua depois da publicidade

Brasília – Reportagem publicada na revista Veja no último final de semana, baseou pedido protocolado na Mesa Diretora do Senado Federal, na qual a bancada do Podemos, pede ao presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), o afastamento do senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) da Presidência da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), “para preservar o bom andamento dos trabalhos da mais importante Comissão do Senado”.

Segundo a reportagem, há indícios, nos depoimentos de ex-funcionários-fantasmas que eram lotados no gabinete do senador, da prática de “rachadinha”, num período de cinco anos. O esquema ilícito teria desviado R$ 5 milhões da verba de gabinete do senador amapaense. Ele nega as acusações.

Mulheres que foram lotadas no gabinete dele contaram à revista que eram obrigadas a devolver parte dos salários e, em troca, não precisariam trabalhar. Em nota, o senador negou todas as acusações e disse ser alvo de uma “orquestração por uma questão e institucional da CCJ”. A declaração não convenceu os senadores do Podemos.

O senador Álvaro Dias (Podemos-PR) e mais oito senadores da legenda, defendem que o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, determine o andamento dos trabalhos da comissão. Segundo ele, a situação atual na CCJ já está inviabilizando o funcionamento de outros poderes.

“Estamos achincalhando a instituição na medida que aceitamos um apagão na comissão mais importante, aquela que pode travar o processo legislativo engavetando matérias importantes e criando problemas em outros poderes. Já uma paralisação do Conselho Nacional de Justiça, do Conselho Nacional do Ministério Público e um impasse no Supremo”, afirmou Dias, citando a recusa de Alcolumbre de marcar a sabatina de André Mendonça para a vaga aberta no Supremo Tribunal Federal (STF).

O senador tem razão. Ao não marcar a sabatina, o STF vai para o quarto mês sem a composição constitucional de 11 ministros. São várias as consequências que decorrem na rotina de julgamentos da Corte Suprema, com a decisão unilateral de Davi Alcolumbre.

Na segunda-feira (1º/11), o Podemos distribuiu uma nota afirmando que o afastamento seria para o parlamentar “se defender de maneira plena” e não prejudicar o andamento dos trabalhos da CCJ.

“Tendo em vista as graves denúncias veiculadas na imprensa no último final de semana, o Podemos defende o imediato afastamento do Senador Davi Alcolumbre da Presidência da CCJ”, diz o documento. “A medida tem dois propósitos: permitir ao Senador se defender de maneira plena e, ao mesmo tempo, não prejudicar o regular andamento dos trabalhos da mais importante comissão da Casa”, conclui a nota.

Dias afirmou que o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, pode intervir na comissão e determinar que o vice-presidente da CCJ, o senador Antonio Anastasia (PSD-MG), comande as sessões e avance as pautas que estão paradas por causa da decisão de Alcolumbre de não pautar a sabatina de André Mendonça para o Senado.

O senador Álvaro Dias cobrou: “Cabe ao presidente do Senado tomar providências urgentes. Essa situação está comprometendo a nossa própria atuação. Ele pode simplesmente pedir ao vice-presidente que promova as reuniões e possibilite os trabalhos. A paciência já esgotou.”

Alcolumbre também vem articulando para tentar viabilizar a indicação do procurador-geral da República, Augusto Aras, ao STF. Enquanto isso, o presidente da CCJ mantém o colegiado inoperante há um mês. A última reunião da comissão ocorreu no dia 29 de setembro.

Com os trabalhos parados, o escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a cadeira na Corte, o ex-advogado-geral da União André Mendonça, aguarda há mais de cem dias para ser sabatinado pela CCJ. Além disso, projetos importantes para o país, como a reforma tributária, seguem parados nos escaninhos da comissão.

Uma notícia-crime que pede a apuração da suposta prática do crime de rachadinha por Alcolumbre foi apresentada ao Supremo Tribunal Federal (STF) pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE). O Podemos diz na nota que as denúncias também serão investigadas pelo Conselho de Ética do Senado Federal.

Com paralisação CCJ está prejudicando o país

A atitude do presidente da CCJ, Davi Alcolumbre, em paralisar por conta própria os trabalhos da CCJ é algo nunca antes visto no Senador Federal. Com 214 matérias prontas para serem votadas pela comissãoo, entre elas indicações de autoridades para órgãos como o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). Há impactos no Judiciário: o STF vem funcionando com dez ministros, o que prejudica os julgamentos em casos de empate, o que beneficia o réu, sendo ele culpado ou não.

A PEC da Reforma do Imposto de Renda e matérias que compõem a Reforma Tributária estão com o andamento travado por causa de Alcolumbre.

Reportagem: Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu em Brasília.

1 comentário em “Podemos pede afastamento de Alcolumbre da CCJ após denúncia de “rachadinha”

  1. Pingback: Coluna Direto de Brasília #Ed. 177 – Por Val-André Mutran - ZÉ DUDU

Deixe seu comentário

Posts relacionados