Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Novo Repartimento

Pneus descartados são retirados das ruas de Novo Repartimento

A ação da Secretaria Municipal de Meio Ambiente cumpre o que determina a Resolução Conama 416/2009, a qual dispõe sobre a prevenção à degradação ambiental causada por pneus inservíveis e na sua destinação ambientalmente adequada

Pneus descartados em área inadequada representam um grave problema para qualquer cidade brasileira. Na cidade de Novo Repartimento, sudeste do Pará, esse problema começa a ter outro fim. Em parceria com uma empresa privada, a prefeitura local criou um ponto de coleta onde os pneus são armazenados e depois transportados para uma indústria de reciclagem. Os pneus descartados por borracharias e empresas especializadas foram depositados no Eco Ponto de Coleta de Pneus Inservíveis, de onde saiu o primeiro carregamento para reciclagem na segunda-feira, 17.

De acordo com o secretário de Meio Ambiente, Márcio Bicalho, esse será um trabalho contínuo: “O mais importante de tudo isso, é que, estamos cumprindo com o que determina a Resolução Conama 416/2009, que dispõe sobre a prevenção à degradação ambiental causada por pneus inservíveis e na sua destinação ambientalmente adequada”.

Bicalho explica ainda que a inciativa tem como objetivo atender as recomendações de higiene, qualidade de vida, saúde pública e ambiental, principalmente na prevenção de doenças, como dengue, zika vírus e chikungunya, devido os pneus contribuírem para a proliferação do mosquito Aedes Aegypti.

No total serão dois carregamentos totalizando 1.200 pneus inservíveis. Os pneus estão sendo reciclados através de convênio firmado com a empresa Reciclanip do Estado de São Paulo, que atende todas as fabricantes de pneus no Brasil e prefeituras.

A ação de coleta de pneus inservíveis é coordenada pela Semma em parceira com o Departamento de Vigilância Sanitária/SMSS, a Sancil, empresa responsável pela coleta de resíduos sólidos, a Igreja Católica, a Serraria Maná Madeiras, os comerciantes e borracharias.

Deixe uma resposta