PMs do Pará poderão acumular duas funções públicas

Para isso, deputados aprovaram alteração na Constituição do Estado, para adequá-la ao texto federal modificado em junho deste ano. Oposição não gostou e acusa governo de agir para militarizar o ensino estadual.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Um projeto de emenda constitucional (PEC) do governador Helder Barbalho aprovado hoje (9) pela Assembleia Legislativa, por ampla maioria de votos,  estende aos policiais e bombeiros militares do Pará o direito de acumular a função militar com cargos públicos nas áreas de educação e saúde, que desde junho está prevista na Constituição Federal após aprovação da PEC 101 pelo Senado e Câmara dos Deputados.

Até então somente os servidores públicos civis e militares das Forças Armadas da área da saúde podiam acumular funções públicas. Com a modificação nos artigos 45 e 48 da Constituição do Pará, os PMS poderão, por exemplo, dar aulas em escolas e universidades públicas, exercer cargos técnicos ou científicos foram da corporação e acumular cargo público na área de saúde.

Com a emenda aprovada hoje pelos deputados, também foi incluído às mulheres da PM o direito à licença-maternidade, inclusive em caso de adoção de criança, sem prejuízo da remuneração e de vantagens. A licença terá duração de 180 dias, conforme já previsto às servidoras públicas estaduais.

Segundo o governo, as modificações na Constituição paraense foram tão somente para adequá-la ao texto da Constituição Federal, o que foi contestado pela deputada Marinor Brito (PSol), que acusou o governador Helder Barbalho de querer seguir o objetivo do presidente Jair Bolsonaro de militarizar o ensino público no Brasil.

E para Marinor a emenda aprovada pela Alepa “abre a porta” para que os policiais militares substituam os professores nas escolas públicas estaduais. “O governo (federal) é a favor (da militarização) e está empurrando goela abaixo, fazendo chantagem inclusive com os Estados para que as escolas sejam militarizadas”, protestou a líder do PSol, que frisou ser função do militar trabalhar exclusivamente na segurança pública.

Ao observar que Helder Barbalho é de uma família de tradição democrática, Marinor Brito lamentou que ele “tenha se curvado a essa lógica”. O líder do Governo na Alepa, deputado Chicão (MDB), manifestou “surpresa” com a “tese” da psolista, negou qualquer intenção de militarização nas escolas e reforçou que a Constituição do Pará não pode se contrapor à legislação maior do País.

Por se tratar de emenda constitucional, o projeto, aprovado em 2º turno e redação final, será agora promulgado pela Alepa.

Mais matérias aprovadas

Também foram aprovados em definitivo na sessão de hoje da Assembleia dois projetos de lei do Executivo. O primeiro altera o dispositivo da Lei Estadual nº 6.830/06, que dispõe sobre a gratificação de complementação de jornada operacional para policiais civis e militares em operações especiais, colocados à disposição da Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado do Pará (Susipe).

Conforme explicações do deputado Chicão, a gratificação será paga, por exemplo, em casos de motins e rebeliões em cadeias públicas, quando há necessidade de convocar policiais de folga. O líder governista assegurou que a gratificação não terá impacto sobre o orçamento do Estado além do que já está previsto.

O outro projeto aprovado que agora só depende da sanção do governador é o que institui o Subsistema Ferroviário do Estado do Pará (Sfepa).

Dois projetos do Tribunal de Justiça do Estado (TJPA) também passaram pelo Legislativo: o que concede reajuste salarial aos servidores do Judiciário e o que reajusta o valor dos custos dos oficiais de Justiça para realização de diligências. São custos bancados pelos próprios profissionais, que usam o próprio veículo para o trabalho. O reajuste, em mais de 80%, é para as diligências da justiça paga, que compreende apenas 5% do total.

Direitos do consumidor

Dois relevantes projetos de lei, na área do consumidor, tiveram aprovação unânime dos parlamentares também em fase final: o que determina a substituição e recolhimento de sacolas plásticas em estabelecimentos comerciais do Pará, do deputado Daniel Santos (MDB), presidente da Alepa, e o que assegura ao consumidor o direito de livre escolha da oficina em casos de cobertura dos danos em veículo por seguradora, do ex-deputado Celso Sabino.

Publicidade

Relacionados