PF cumpre mandados em Parauapebas, Canaã dos Carajás, no Pará, e em três outros estados

Aproximadamente 40 policiais federais cumprem oito mandados judiciais de busca e apreensão, seis mandados de prisão temporária e um afastamento cautelar da função pública
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quarta-feira (04) a Operação Mensageiro, que visa desarticular um grupo criminoso responsável por invasões ao sistema da Caixa Econômica Federal para recebimento ilegal de seguro-desemprego.

Aproximadamente 40 policiais federais cumprem oito mandados judiciais de busca e apreensão, seis mandados de prisão temporária e um afastamento cautelar da função pública, todos expedidos pela 4ª Vara Federal de Palmas, para cumprimento nos municípios paraenses de Parauapebas e Canaã dos Carajás, além de Gurupi e Oliveira de Fátima, no Tocantins, Imperatriz (Maranhão) e Brasília (DF).

Segundo a investigação, o grupo criminoso invadia os sistemas da Caixa e alterava o endereço de cidadãos que estavam recebendo regularmente o seguro-desemprego. Após, solicitava-se novo cartão do cidadão, que era encaminhado ao endereço previamente alterado pelos criminosos. Havia também a participação de funcionários dos Correios.

De posse dos cartões, o grupo realizava o recadastramento da senha em casas lotéricas e, na sequência, efetuavam o saque de uma parcela do seguro-desemprego, impedindo o saque pelo titular do benefício.

Até o momento, segundo a PF, as investigações apontam quase 12 mil endereços alterados na Caixa pela organização criminosa, o que pode resultar num prejuízo de aproximadamente R$ 15 milhões ao Fundo de Amparo ao Trabalhador- FAT.

Ainda segundo a PF, os investigados devem responder, na medida de suas participações, pelos crimes de associação criminosa, estelionato majorado, corrupção ativa e corrupção passiva, cujas penas somadas podem chegar a vinte e seis anos e meio de reclusão.

O nome da operação faz alusão a uma das facetas da quadrilha, consistente na cooptação de funcionário dos correios, responsável pela entrega irregular dos cartões.

Publicidade

Relacionados