PC prende sete envolvidos em morte de vendedor de joias que morava em Parauapebas

Os acusados foram presos na operação “Golden”, deflagrada nesta quinta-feira (30) em quatro estados. A motivação do crime seria uma dívida de R$ 1,9 milhão que uma das acusadas tinha com a vítima
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
O corpo de Edilson foi encontrado às margens do Rio Itacaiúnas

Continua depois da publicidade

Na manhã desta quinta-feira (30), a Polícia Civil do Pará prendeu sete pessoas envolvidas na morte do vendedor de joias Edilson Pereira de Sousa, crime ocorrido em abril deste ano em Marabá, no sudeste do Pará. Os acusados foram presos na Operação “Golden”, deflagrada em quatro estados que investiga o crime triplamente qualificado.

A operação envolveu equipes da Superintendência Regional do Sudeste do Pará, Delegacia da Cidade Nova (Marabá), Núcleo de Apoio à Investigação (NAI/Marabá) e 21ª Seccional de Marabá, assim como contou com o apoio das polícias Civil dos estados do Paraná, Goiás e Maranhão (DP Regional de Imperatriz e GPE). Três acusados foram presos na cidade de Marabá, uma na cidade de Imperatriz (MA), um em Goiânia (GO) e dois na cidade de Foz do Iguaçu (PR).

Em Marabá foram presos M. F. M., M. P. S. F. e A. C. M. V. Em Imperatriz foi preso o nacional B. G. B. F; em Goiânia, R. F. A., preso no aeroporto internacional Santa Genoveva; e em Foz do Iguaçu foram presas as nacionais O. S. F. e G. F. B.

Parte dos objetos da vítima subtraída pelos criminosos foi apreendida

Segundo a Polícia Civil do Pará, as investigações apontaram que a motivação para o cometimento do crime foi para não pagar à vítima uma dívida de R$ 1.900.000,00 que uma das investigadas era devedora. Além disso, durante o crime foram subtraídos da vítima diversas joias, avaliadas em mais de R$ 1.000.000,00.

Ainda de acordo com a PC, a época do crime, que causou grande repercussão, acarretando uma grande comoção social, principalmente na cidade de Conceição do Araguaia, no sul do estado, onde os familiares de Edilson Pereira residem. Durante a operação foram apreendidos também diversos objetos que auxiliarão na conclusão do inquérito policial.

O corpo de Edilson, que a época do crime morava em Parauapebas, foi encontrado na manhã do dia 15 de abril às margens do Rio Itacaiúnas, em Marabá. Ele estava desaparecido desde o dia 13 do mesmo mês.

Tina DeBord