Parauapebas volta a desempregar em fevereiro, enquanto Marabá lidera vagas

Pará até criou empregos, mas tem geração de oportunidades pífia diante de sua importância para o país, como grande exportador de commodities primárias. Informalidade prospera no estado.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) referentes a fevereiro foram liberados no início da tarde desta segunda-feira (25) pelo Ministério da Economia e apontam: Parauapebas apresentou 21 baixas em seu mercado de trabalho com carteira assinada no mês passado. A “Capital Nacional do Minério de Ferro” vinha de uma sucessão de meses em que mais empregava que demitia, mas perdeu força e quebrou a dinâmica. O impacto das demissões para o município, conforme calcula o Blog do Zé Dudu, é de R$ 791 mil em prejuízos ao mercado local.

Por outro lado, Marabá, que vinha de uma sequência de demissões, encerrou o mês com um dos melhores fevereiros dos últimos cinco anos, tendo criado 168 postos de trabalho formais. O impacto positivo para Marabá é a adição de R$ 5,37 milhões em massa salarial.

Outro que também se destacou foi Canaã dos Carajás, onde foram abertas 157 vagas. Além de Marabá e Canaã, abriram excelentes quantidades de vagas no sudeste do Pará os municípios de Tucuruí (58), Redenção (51), Eldorado do Carajás (35) e Xinguara (25). Aliás, no sudeste do estado, a maioria das localidades mais contratou que demitiu, ainda assim os piores desempenhos foram registrados em Dom Eliseu (104 demissões), Ourilândia do Norte (76), São Félix do Xingu (29) e Parauapebas.

Em todo o Pará, os campeões de geração de emprego foram Castanhal (548 postos abertos), Belém (527), Santarém (256) e Ananindeua (191), enquanto Tailândia (578 vagas encerradas), Barcarena (265), Acará (245) e Bonito (236) lideraram as demissões. Os dados são preliminares porque o Blog calculou com base na disponibilização dos primeiros arquivos liberados pelo Ministério da Economia sem tratamento estatístico. Até o começo da tarde, a base de microdados do Caged de fevereiro, por estado, estava indisponível.

Pará: devagar, quase parando

O Pará criou 637 postos de trabalho com carteira assinada no mês passado, número pífio diante do potencial econômico e da importância do estado para o país. O estado tem menos oportunidades de emprego que seus vizinhos mais “franzinos” Amazonas (1.425 novos empregos com carteira assinada) e Tocantins (1.116 empregos). Por aqui, foram contratados 23.802 trabalhadores e demitidos 23.165.

O estado tem, hoje, 726.480 trabalhadores celetistas devidamente formalizados, um estoque considerado baixo para o tamanho de sua população. São Paulo, que tem apenas cinco vezes mais habitantes que o Pará, possui estoque de trabalhadores 16 vezes e meia maior. A baixa quantidade de trabalhadores paraenses formais indica, por outro lado, que existem milhares de pessoas trabalhando na informalidade, uma das características clássicas do subdesenvolvimento.

Relacionados