Parauapebas: Semel abre segundo semestre de competições com disputa da 7ª Taça de Voleibol

A competição, que reúne equipes amadoras do município, já deve contar com presença de público nas arquibancadas. Os três primeiros lugares no masculino se classificam para o Intermunicipal de Vôlei, que está marcado para o mês de outubro em Parauapebas
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Taça Parauapebas de Vôlei reúne equipes amadoras do município

Continua depois da publicidade

Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (Semel) inicia, nesta sexta-feira (13), o segundo semestre de competições esportivas, com a disputa da 7ª Taça Parauapebas de Vôlei. A competição reúne equipes amadoras do município.

A solenidade de abertura será a partir das 20h, no ginásio poliesportivo Islander Souza, e disputa da taça segue até domingo (15). Para a disputa dos jogos, a Semel estuda liberar a presença de torcedores.

No entanto, serão seguidos todos os protocolos de prevenção à Covid-19, como o uso obrigatório de máscaras e o distanciamento durante a permanência nas arquibancadas. A taça é dividida na categoria masculina e feminina de vôlei.

As inscrições para a competição aconteceram no mês de junho. Ao todo, quatro equipes femininas e nove masculinas irão disputar o título. Pelas regras do certame, o feminino disputará em chave única e as duas equipes que tiverem maior soma de pontos vão direto para a final.

Já o masculino será divido em duas chaves. Uma com quatro equipes e outra com cinco, que irão disputar por meio do cruzamento olímpico, com o vencedor da chave A enfrentando o segundo colocado da chave B; e o primeiro colocado da chave B disputará com o segundo colocado da chave A.

Segundo a Semel, os três primeiros lugares se classificam para o Intermunicipal de Vôlei, que está marcado para o mês de outubro em Parauapebas. A competição vai contar com seis convidadas dos municípios de Marabá, Paragominas, Tucuruí, Ananindeua, Bom Jesus do Tocantins e Goianésia do Pará.

Os três árbitros que vão atuar na 7ª Taça Parauapebas de Volei são Biratan Palmeira, Fábio Holanda e Síria Lima, que integram a Federação Paraense de Vôlei (FPV). O trio já apitou jogos de competições como a Super Liga Nacional de Vôlei e o amistoso internacional, onde a Seleção Brasileira enfrentou as seleções da Holanda e República Dominicana.

Segundo o técnico da Semel, Geral Base, boa parte dos atletas de Parauapebas que se destacaram em nível nacional começou nas escolinhas do município. “Quando realizamos competições como a Taça de Vôlei, sempre será com o intuito de colhermos frutos. Parauapebas é um berço de atletas do vôlei e, muitos, estão escondidos por aí. Então, é importante torneios como esse para encontrarmos esses talentos. Como professor, posso dizer que, além dos novos atletas que estão se consagrando fora do munícipio, temos outros exemplos, um deles é a Seleção Máster Feminina de Vôlei Parauapebas, que se prepara para disputar o Bi Campeonato Sul Americano em Lima, no Peru, no mês de novembro. Boa parte das atletas começou aqui na escolinha da Semel”, frisa o técnico.

Ele também destaca o êxito obtido pela seleção masculina Sub 23 de Parauapebas, que foi campeã estadual em 2017. Entre os atletas que saíram das escolinhas da Semel e ganharam destaque em nível nacional estão Kayon Max, que joga atualmente pelo Aero Clube de João Pessoa, no estado da Paraíba; Max Lima, que integra o Clube Uberlândia Azulim, de Minas Gerais, que está em preparação para disputar a Super Liga A, competição que deve acontecer em outubro durante a temporada 2021/ 2022; Dayane Maria, que faz parte do Sesi de Ribeirão Preto, em São Paulo; e Kelvin Rian, que se prepara para uma pré-convocação para a Seleção Brasileira Infantojuvenil de Vôlei.

Kelvin, aliás, faz questão de frisar o quanto competições locais, como a Taça de Vôlei, são importantes para revelar atletas, como é o seu caso. “O vôlei de Parauapebas precisa ter reconhecimento e, se depender de nós, atletas, isso vai acontecer, porque isso é a nossa paixão”, frisa o jogador.

Tina DeBord- com informações de Cleide Rodrigues – Semel

Fotos / Arquivo Semel