Parauapebas: Matrículas dos aprovados para Licenciatura Intercultural Indígena começam esta semana

Para fazer a matrícula, que vai até esta sexta-feira (17), o aprovado deverá comparecer ao Campus de Parauapebas, munido de documentos de identidade, uma foto 3x4 e comprovantes de escolaridade e residência
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Os calouros aprovados devem se matricular até o dia 17 deste mês (Foto: Ascom PMP)

Continua depois da publicidade

Estão previstas para começar, nesta quarta-feira (15), as matrículas para os calouros aprovados no Curso de Licenciatura Intercultural Indígena, ofertado pelo programa Forma Pará para o Campus da Universidade Estadual do Pará (Uepa) de Parauapebas. O prazo final de matrícula previsto é até esta sexta-feira (17).

Para efetuá-la, o candidato deverá comparecer ao Campus de Parauapebas munido de originais (para confirmação) e cópias dos seguintes documentos: carteira de identidade; CPF; certidão de nascimento ou casamento; uma foto 3×4 recente (colorida); título de eleitor, acompanhado do comprovante de votação na última eleição; Histórico Escolar do Ensino Médio; Certificado de Conclusão do Ensino Médio ou Certificado de Conclusão de Magistério Indígena e comprovante de residência.

Ao todo, foram ofertadas 50 vagas para os candidatos do Povo Xikrin do Cateté, que vivem em uma comunidade composta por cerca de 1,7 mil índios, distribuídos em 14 aldeias, a 350 quilômetros da cidade de Parauapebas. As provas para o certame foram realizadas na Escola Indígena de Ensino Fundamental Bep Karoti Xikrin, localizada na aldeia Cateté, no final do mês de novembro, em duas etapas presenciais: dia 28 (prova escrita) e dias 29 e 30 (entrevistas). 

A lista dos aprovados no Processo Seletivo foi divulgada na noite da última sexta-feira (10) e é possível consultá-la no site da Uepa.

Para Katop Ti Xikrin, técnico pedagógico da Secretaria Municipal de Educação (Semed) e coordenador local da Uepa, esse curso representa uma grande conquista para o povo Xikrin. “É uma oportunidade única que a comunidade Xikrin está tendo, de ter esse curso dentro da nossa comunidade. É uma luta antiga nossa, mas o governo municipal tem ouvido nossas necessidades e a Semed tem buscado preparar os nossos professores para que eles, futuramente, assumam a sala de aula,” frisa.

O processo seletivo é executado pela Pró-Reitoria de Graduação (Prograd) da Uepa, por meio do Núcleo de Formação Indígena (Nufi) da Coordenação do Curso de Licenciatura Intercultural Indígena da universidade e da Diretoria de Acesso e Avaliação (DAA). 

O curso, de caráter intercultural, tem como objetivo formar professores indígenas para atuar na Educação Básica, com foco nas áreas de Ciências Humanas e Sociais; Ciências da Natureza e Matemática; e Linguagens e Artes.

Tina DeBord – com informações da Ascom PMP