Parauapebas é uma das melhores cidades do BR em mobilidade, educação e governança

Desafios atuais de mobilidade são a “prova dos nove” de que município está em franco surto de prosperidade: com dinheiro circulando na praça, população invade concessionárias, compra carros e motos, que estão tornando ruas e avenidas cada vez mais estreitas para o movimento
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Apesar de ter ficado de fora do quadro geral das 100 cidades mais dinâmicas do país, que leva em conta a compilação de um conjunto de eixos os quais, juntos, tornam — ou não — os municípios vitrines para captação de grandes investimentos, Parauapebas foi destaque no ranking elaborado pela consultoria Urban Systems em três dos 11 pilares que sustentam o estudo.

Divulgado ontem (9) à noite, conforme antecipado na segunda (8) pelo Blog do Zé Dudu, o estudo “As 100 Melhores Cidades do Brasil para Fazer Negócio” traz Parauapebas entre as 100 mais importantes praças comerciais nos quesitos mobilidade, educação e governança. As informações foram analisadas com exclusividade pelo Blog, que se debruçou sobre as 119 páginas do relatório de um dos mais importantes e respeitados mapeamentos de potencial de desenvolvimento do país.

O resultado alcançado na edição de 2021 compreende dados dos últimos quatro anos, coincidentemente o período de mandato do prefeito Darci Lermen, o que mostra a eficiência de sua gestão entre 2017 e 2020 em áreas específicas. Considerando-se apenas o quesito mobilidade, por exemplo, a cidade de Parauapebas é a 61ª melhor do Brasil hoje para abrir um negócio, entre localidades com mais de 100 mil habitantes.

Apesar dos gargalos decorrentes do crescimento populacional acelerado que caminha de mãos dadas com o forte aumento do poder de compra da população local, resultando em facilidade de acesso a veículos como carro e moto, cujo excesso nas ruas torna a cidade “apertada” para circular, o governo municipal tem investido pesado em abertura e ampliação de acessos intraurbanos, preparando Parauapebas para seu porte demográfico real, que está muito acima das estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Educação

No conjunto de subindicadores gerais, a educação de Parauapebas é a 54ª melhor do país entre os municípios com mais de 100 mil habitantes. Muitos podem se apressar em dizer que Parauapebas não tem o melhor Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), que, inclusive, estagnou nos últimos anos, mas a Capital do Minério tem um trunfo contra o qual os outros municípios pedem arrego: os salários pagos aos professores.

Sim, um professor da educação básica municipal, a depender do tempo de serviço e dos títulos que possua, chega a ganhar muito mais que um professor com doutorado em início de carreira em universidades federais. Atualmente, das 5.568 prefeituras do país, só 20 conseguem, na média, pagar salários tão atrativos quanto o do magistério público municipal. Somam-se a isso aspectos como a despesa municipal de educação por aluno, que é elevada, e a quantidade de professores em sala de aula com nível superior, que é próxima a 100%.

Governança

Mas é no aspecto governança que Parauapebas mais se destaca no estudo, na 44ª posição entre as cidades brasileiras. Dentro desse eixo são levados em conta indicadores como mortalidade infantil, despesas com saúde, monitoramento de áreas de risco, atendimento aos cidadãos por meio de aplicativos e sites da prefeitura, presença de conselhos e até a formação do prefeito Darci Lermen.

Esses aspectos e alguns outros batidos no liquidificador colocam Parauapebas em posição muito confortável, tendo, segundo a Urban Systems, sua gestão melhor conduzida no todo que metrópoles globais como São Paulo e Rio de Janeiro, ou de capitais importantes como Belo Horizonte e Florianópolis. Inclusive, Parauapebas é destaque no encarte de governança do estudo como a melhor representante da Região Norte nesse eixo.

De acordo com o prefeito Darci Lermen, gerir Parauapebas é um exercício de reflexão diário porque a dinâmica econômica atual — de obras, fartura de empregos, abundância de recursos financeiros e pujança comercial — faz com que todos os desafios se renovem a cada 24 horas. Ele lembra que, graças à corrida por revisão e aumento de recursos financeiros ainda em 2017, hoje o município tem condições de melhor administrar os problemas, ajudar a impulsionar o comércio e o setor de serviços, fazer o dinheiro correr na praça e contribuir para o aumento do poder de compra local.

“Temos muitos desafios e continuaremos a ter. Mas estamos investindo para atenuar inconvenientes nas áreas de infraestrutura, mobilidade, segurança, saúde e educação, a fim de que, no futuro breve, sejamos reconhecidos como cidade de elevado índice de desenvolvimento humano, que prima pela qualidade de vida das pessoas, igualdade e justiça social”, encerra o gestor.