Parauapebas deve ganhar pontos de coleta seletiva de resíduos

Município viu população quintuplicar em três décadas, maltratou e poluiu igarapés e rio, mas não aprendeu a separar e descartar as 10 mil toneladas mensais de resíduos corretamente.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Com 208 mil habitantes, 190 mil dos quais na área urbana, e produção aproximada de 10 mil toneladas de resíduos sólidos mensalmente, a destinação de lixo e entulho urbanos sempre foi um calo no sapato do saneamento básico de Parauapebas. Atualmente, 86% da população convivem com esgoto a céu aberto num dos municípios mais ricos do país, e não há muita perspectiva de melhoria do indicador.

A prefeitura municipal tem um programa de saneamento que, embora necessário e urgente, é caro demais e cuja operação é de longo prazo, demandando décadas para atingir a universalização do serviço. Enquanto isso, importantes cursos d’água, como o Igarapé Ilha do Coco e o próprio Rio Parauapebas, sofrem com o descarte de resíduos sólidos e o despejo de águas servidas em suas margens, características de uma população que historicamente cresceu sem orientação adequada para a prática da consciência ambiental.

Esse cenário levou a vereadora Eliene Soares a pensar na criação de pontos de coleta seletiva dispersos pela cidade de Parauapebas. Motivada por populares, a parlamentar fez indicação à Prefeitura de Parauapebas para que implante pontos de coleta a fim de que população crie hábito de separar seus resíduos, o que pode facilitar o trabalho de catadores e, no médio prazo, gerar trabalho e renda com a reciclagem. A indicação foi aprovada na sessão realizada na manhã desta terça-feira (14) e segue para apreciação do prefeito Darci Lermen.

“Quando foi realizado o primeiro censo em Parauapebas, eram cerca de 40 mil habitantes, e todos podiam desfrutar das águas limpas do Igarapé Ilha do Coco. A população se multiplicou por cinco de lá para cá, a cidade cresceu e praticamente engoliu o igarapé”, lamenta a vereadora Eliene, observando que, atualmente, o consumo de bens e serviços, com a consequente produção de resíduos, transformou a paisagem natural e trouxe a poluição. Para tentar frear o avanço do descarte inadequado de resíduos, medidas domésticas precisam ser implementadas.

“Temos condições de criar estratégias de coleta seletiva para selecionar e separar os resíduos recolhidos conforme sua composição, origem e similaridade, como vidro, plástico, substâncias orgânicas, metais, lixo hospitalar e papel. Isso gera uma cadeia de valor e todos ganham: os catadores, a população em geral e o meio ambiente”, destaca a parlamentar.

Custos dos resíduos

Um estudo encomendado pela Prefeitura de Parauapebas para consubstanciar o Projeto de Saneamento Ambiental, Macrodrenagem e Recuperação de Igarapés e Margens do Rio Parauapebas (Prosap) endossa as palavras da vereadora acerca do panorama de resíduos sólidos no município.

Parauapebas gasta cerca de 4% de sua arrecadação com coleta e destinação de resíduos e, ainda assim, tem problemas com destinação. O aterro municipal é o único local disponível para disposição final dos resíduos coletados, nos casos em que não há interesse de reutilização, reciclagem ou outras formas de aproveitamento econômico. A área do aterro é de cerca de 180 mil metros quadrados, mas são necessários mais 17.500 metros quadrados para atender com qualidade.

Iluminação pública

Outro serviço público indicado pela vereadora à Prefeitura de Parauapebas e que foi aprovado por seu pares foi a reparação de iluminação de vias e logradouros no Bairro dos Minérios. A comunidade, onde residem cerca de 4.700 habitantes, está num dos cinturões mais violentos da área urbana, o Complexo Cidade Jardim.

A escuridão noturna, segundo a parlamentar, propicia a ocorrência de vários delitos; gera sensação constante de insegurança a residências, pequenos comércios e templos religiosos; e torna muitos cidadãos de bem reféns do medo e prisioneiros em seu próprio lar. “Lutar por iluminação pública de qualidade é lutar para que direitos como segurança, integridade física e bem-estar sejam garantidos”, encerra Eliene.

Relacionados