Parauapebas: 210 alunos se formam no curso de Libras

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

SONY DSC Centenas de pessoas lotaram o auditório do Centro Universitário de Parauapebas (CEUP) na última sexta-feira, para acompanhar a formatura de 210 alunos do curso de libra. O curso ministrado pelo Núcleo de Apoio Pedagógico e Psicossocial (Napp), da Secretaria Municipal de Educação (SEMED), é uma forma de capacitar familiares de pessoas com surdez, profissionais da educação, saúde e pessoas que atuam nas mais diversas funções e tem contato com pessoas com surdez.

De acordo com Francineide Bezerra, coordenadora pedagógica no Napp, a maior barreira de comunicação dos surdos é a falta de conhecimento da língua de sinais (Libra) pela sociedade. “Para estar plenamente inserida na sociedade a pessoa com surdez deve conseguir se comunicar, e para isso, não basta apenas que ela conheça a linguagem dos sinais, é preciso também que as pessoas que irão se relacionar com ela, também conheça a Libras”.

O curso de libras já formou mais de 900 pessoas. Para o coordenador do Napp, Daniel Evangelista, esses números foram possíveis graças ao empenho e a dedicação dos profissionais que trabalham com os alunos surdos. “A cada formatura aumenta o número de pessoas presentes. Isso é muito gratificante para nós educadores.

Segundo a assessora técnica da SEMED, Marleide Freire de Oliveira, a inclusão da pessoa com deficiência não deve ser feita apenas no âmbito educacional. “É preciso que toda a sociedade se mobilize para acolher as pessoas que têm necessidades especiais”.

Apresentações de repentes e músicas foram o ponto alto da formatura, uma vez que todas as apresentações foram feitas pela linguagem de sinais. “Quando inserimos na formatura a linguagem de conhecimento do aluno, valorizamos ainda mais o seu aprendizado”, diz a formadora, Juscicleide Mota.

Napp
O Napp tem ofertado os cursos de Libras no município desde o ano de 2004. Os cursos ministrados por instrutores e intérpretes de Libras, devidamente qualificados pelos órgãos competentes, vem capacitando ao longo dos anos pessoas da mais variadas profissões.

“É com muito prazer que neste momento encerramos mais uma etapa dos cursos deste semestre, parabenizando, antecipadamente, todos aqueles que envidaram esforços e fizeram algum tipo de renúncia para se engajar neste movimento de inclusão social e que entenderam sua importância neste processo”, diz Daniel Evangelista.

Reconhecimento
O reconhecimento da Língua Brasileira de Sinais (Libras), como a segunda língua oficial do País, ocorreu através da Lei 10.436 de abril de 2002. Outra conquista importante ocorreu com a regulamentação do Decreto nº 5.626/05, legitimando a atuação e a formação profissional de tradutores, intérpretes de Língua Portuguesa e oportunizando a capacitação de profissionais de diferentes segmentos da sociedade, qualificando assim os serviços prestados as pessoas com surdez . Esta conquista garante ainda a obrigatoriedade do ensino de Libras na educação básica e no ensino superior.´

Por Rosiere Moraes – ASCOM – PMP