Paragominas: MPPA acompanha caso de possível contaminação do Rio Uraim

A investigação é para saber se estão sendo despejados resíduos nocivos no rio, que abastece a cidade de Paragominas. A fiscalização para apurar a possível contaminação iniciou segunda-feira (21) e segue até o próximo dia 28
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O Ministério Público do Estado do Pará, através da 3ª Promotoria de Justiça de Paragominas, no sudeste do estado, vem investigando desde janeiro deste ano a empresa Florapac MDF LTDA pela suposta prática de crime ambiental. As investigações foram iniciadas após a promotoria tomar conhecimento de fatos lesivos ao meio ambiente no município, como o derrame de resíduos supostamente nocivos ao meio ambiente e saúde humana no leito do Rio Uraim, que abastece Paragominas, provocado possivelmente pelas atividades da empresa, que tem por objeto social a fabricação de madeira densificada (MDF).

As investigações estão sendo conduzidas pela titular da 3ª Promotoria, promotora Maria Cláudia Vitorino Gadelha. A primeira vistoria técnica do MPPA foi realizada pelo técnico Thiago Matos, que compõe o Grupo de Apoio Técnico Interdisciplinar (GATI), juntamente com a promotora Maria Cláudia Gadelha, no período de 12 a 14 de janeiro de 2021.

Em seguida, o Ministério Público requereu a realização de perícia pelo Centro de Perícias Científicas (CPC) Renato Chaves e Instituto Evandro Chagas (IEC), além de investigação pela Divisão Especializada em Meio Ambiente (DEMA), na qual resultou na inspeção conjunta por equipes desses órgãos, que começaram a ser realizadas na última segunda-feira e devem ser concluídas na próxima segunda (28). A inspeção objetiva a realização de perícia e investigações para elucidar dano ambiental possivelmente provocado pela empresa.

Tina DeBord