Pará toma trono e se distancia de Minas na corrida da produção mineral

Além disso, estado deixou MG para trás na disputa do minério de ferro. E mais: com Marabá, Canaã dos Carajás e Parauapebas, Pará tem três dos cinco municípios que lideram ranking.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Pelo menos 23 substâncias minerais fizeram o Pará movimentar R$ 55,29 bilhões este ano e tomar de Minas Gerais o posto de maior produtor mineral do país. Dados levantados pelo Blog do Zé Dudu junto à Agência Nacional de Mineração (ANM) neste domingo (17) mostram que, de janeiro a 15 de novembro, o estado do Norte lavrou quase R$ 7 bilhões a mais que o estado do Sudeste. É a primeira vez na indústria extrativa brasileira que Minas Gerais vê o ano findar sem dominar a parada.

De acordo com a ANM, a produção de Minas no mesmo período está na casa dos R$ 48,7 bilhões. É muito, mas não o suficiente para frear o avanço do Pará, cuja virada em 2019 foi prevista pelo Blog no início de janeiro (relembre aqui). Em 2018, Minas ganhou do Pará por diferença de R$ 1,2 bilhão. E em março deste ano, sob efeito da tragédia de Brumadinho, o estado do Sudeste cedeu e deu passagem ao Norte.

O Pará, a propósito, deve encerrar o ano com 50% a mais de movimentação registrada em relação a 2018, quando foram minerados aproximadamente R$ 42,5 bilhões. De acordo com a ANM, apenas em minério de ferro (R$ 42,63 bilhões), o faturamento da indústria mineral paraense em 2019 é maior que toda a produção do estado no ano passado. Depois do ferro, as substâncias mais valiosas são o cobre (R$ 6,49 bilhões), o alumínio (R$ 3,11 bilhões), o ouro (R$ 1,31 bilhão) e o manganês (R$ 869 milhões).

Minério de ferro

Também pela primeira vez na história, a produção de minério de ferro de Minas Gerais não é suprema. Com R$ 39,71 bilhões de movimentação, a commodity está quase R$ 3 bilhões abaixo do volume paraense. O segundo principal produto da cesta de Minas — composta por 53 substâncias — é o ouro (R$ 4,84 bilhões). E outro fato inédito: os royalties de mineração gerados pelo Pará até outubro (R$ 1,82 bilhão) estão cerca de R$ 300 milhões acima dos royalties gerados por Minas (R$ 1,54 bilhão).

Além da eterna disputa Pará versus Minas, são importantes produtores minerais, com cifras bilionárias de janeiro a novembro deste ano, os estados de Goiás (R$ 4,62 bilhões), São Paulo (R$ 3,53 bilhões), Bahia (R$ 2,9 bilhões), Mato Grosso (R$ 2,43 bilhões), Mato Grosso do Sul (R$ 1,18 bilhão), Santa Catarina (R$ 1,08 bilhão), Rio Grande do Sul (R$ 1,05 bilhão) e Amapá (R$ 1,01 bilhão). O Paraná (R$ 969 milhões) também deve ultrapassar a cifra de R$ 1 bilhão em produção mineral até o último dia deste ano.

Carajás domina

Dos cinco municípios que mais produzem recursos minerais no país, três são paraenses e estão na mundialmente famosa província mineral de Carajás. Parauapebas (R$ 26,73 bilhões) e Canaã dos Carajás (R$ 17,01 bilhões) lideram o pódio com folga. Com esse volume de produção em 2019 apenas na indústria extrativa, o Blog do Zé Dudu calcula que o Produto Interno Bruto (PIB) de ambos, que é a soma da produção de bens e serviços, será o dobro em Parauapebas (PIB de R$ 12,64 bilhões em 2016, valor vigente) e quase oito vezes mais em Canaã dos Carajás (PIB de 2,34 bilhões). Além desses dois, Marabá (R$ 5,36 bilhões em produção mineral) aparece em 5º lugar entre os municípios brasileiros que mais geram recursos minerais, atrás apenas de Congonhas (R$ 6,94 bilhões) e Itabira (R$ 5,59 bilhões), ambos situados em Minas Gerais.

Publicidade

Relacionados