Canaã dos Carajás

Para a prevenção de queimadas em Canaã, grupo de trabalho se reúne para planejar ações

Canaã dos Carajás tem enfrentado problemas cada vez maiores com as queimadas ao longo dos últimos anos. Não tem outra: o verão chega, o mato seca e os incêndios se …

Canaã dos Carajás tem enfrentado problemas cada vez maiores com as queimadas ao longo dos últimos anos. Não tem outra: o verão chega, o mato seca e os incêndios se alastram por toda a cidade. Em 2017, o mês de julho registrou o aumento de quase 400% dos focos de incêndio em relação aos meses anteriores. As queimadas, registradas na zona urbana e na zona rural, acontecem, na maioria dos casos, pela ação humana. Lotes baldios e pastos são queimados para facilitar o trabalho de limpeza. O resultado final é o que todos já sabem: fumaça por todos os lados, problemas respiratórios, visuais e a irresponsável poluição da atmosfera terrestre.

Reunião Queimadas 2

Para impedir que desastres ambientais aconteçam, como em 2016 e 2017, quando o Parque Nacional dos Campos Ferruginosos ficou em chamas, um Grupo de Trabalho de Combate à Incêndios foi formado no final do ano passado. A ideia é que campanhas de prevenção e conscientização da população aconteçam antes que a estação da secura chegue na região. A primeira reunião do grupo aconteceu na tarde desta terça-feira (20) na Secretaria Municipal de Agricultura. Por lá, representantes de secretarias de do governo, entidades municipais e sociedade estiveram presentes para debater as medidas necessárias para o combate às queimadas.

Secretário de Agricultura recém-empossado, Edilson Valadares se colocou à disposição para ajudar no que for preciso: “Essa é uma campanha para evitar algo que realmente nos preocupa. Em todos os anos, os focos de incêndio na zona rural e na zona urbana são muito grandes. Ano passado mesmo foi terrível esse período. Hoje o grupo se reúne aqui para debater maneiras de se evitar isso. Quem está à frente do trabalho é a Secretaria de Meio Ambiente e a Secretaria de Obras com a parte operacional. Mas já estamos à disposição para todos os momentos ajudar no que for possível, maquinário, pessoas. Queremos e devemos ajudar a combater este mal.”

Jardel Mesquita, secretário de Meio Ambiente, também recém-empossado, falou sobre o trabalho que a pasta conduzirá nos próximos meses: “A ideia é que a gente comece com um trabalho de educação ambiental, de conscientização. Queremos conversar com a comunidade e entender quais são as demandas e no que podemos ajudar. Vamos sentar com a população para saber o que está provocando essas queimadas e propor alternativas. Além do diálogo, faremos, é claro, a fiscalização. Temos equipamentos de sensoriamento remoto e imagens de satélites que se atualizam a cada 24 horas. Tudo isso servirá para que a gente identifique os locais em que os incêndios começaram e possamos identificar culpados. Se for identificado o crime ambiental, faremos as autuações e vamos entrar junto ao Ministério Público para verificar a conduta criminosa. Mas a nossa intenção principal é a educação.”

Além da Agricultura e do Meio Ambiente, representantes do Código de Postura, Agência Canaã, Vale e Associação de Produtores Rurais estiveram presentes na reunião e se colocaram à disposição para ajudar nas campanhas. De acordo com a organização, os trabalhos preventivos serão divulgados em veículos de comunicação de toda a região com o intuito de que mais pessoas possam saber o que fazer para construir uma cidade melhor para se viver.

Deixe seu comentário