Pará passa Mato Grosso do Sul e já tem 4º maior rebanho bovino do país

Marabá é um dos grandes destaques do Brasil por apresentar aumento do efetivo em mais de 102 mil cabeças de um ano para outro. São Félix do Xingu segue sendo “rei do gado” no país.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

De 2018 para 2019, o Pará aumentou seu efetivo bovino em 252,5 mil animais e, agora, conta com 20,881 milhões de bois e vacas no pasto. Com esse resultado, o estado assume a 4ª posição no ranking nacional, após destronar o Mato Grosso do Sul, cujo rebanho encolheu em 1,489 milhão de cabeças, caindo de 20,897 milhões para 19,408 milhões de um ano para outro. E tem mais: dos dez municípios que concentram a maior população de cabeças de gado, três são paraenses.

As informações foram levantadas com exclusividade pelo Blog do Zé Dudu, que se debruçou nos números da Pesquisa da Pecuária Municipal (PPM) divulgada nesta quinta-feira (15) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os dados mostram que São Félix do Xingu segue como município mais populoso para bois e vacas no país, com efetivo composto por 2,242 milhões de cabeças.

Apesar de manter-se na liderança, São Félix perdeu mais de 15 mil cabeças de gado de 2018 para 2019, segundo o IBGE. Na contramão disso, Marabá é destaque nacional por apresentar o 3º maior incremento no efetivo, saltando de um rebanho de 1,034 milhão para 1,136 milhão. É como se Marabá ganhasse, de um ano para outro, uma fazenda do tamanho da cidade de Tucuruí, com 102 mil touros. Desse modo, Marabá é o município que, hoje, mais empurra o Pará para frente na produção pecuária.

Por outro lado, Novo Repartimento, que chegou a ter cerca de 971 mil animais no pasto em 2018, fechou 2019 com efetivo de 884 mil bois e vacas. Repartimento segue entre os dez municípios brasileiros mais povoados de gado, porém com efetivo menor em 87 mil unidades. Outra perda brusca foi registrada em Cumaru do Norte, que decresceu o rebanho em aproximadamente 58 mil animais e agora tem 750 mil. Cumaru foi superado por Altamira, que ganhou 51 mil bois e vacas e totaliza cerca de 760 mil bovinos.

Microrregião de Parauapebas

Dos cinco municípios que compõem a microrregião de Parauapebas, apenas Curionópolis apresentou retração no rebanho bovino. Curionópolis, que é atualmente o lugar que mais perde participação em todas as frentes econômicas do Pará, viu o rebanho cair de 253 mil cabeças para 245 mil de um ano para outro.

Já o vizinho Eldorado do Carajás aumentou o efetivo de 317 mil para 343 mil, enquanto Canaã dos Carajás subiu de 221 mil para 243 mil cabeças. Água Azul do Norte também viu evolução na sua contagem de bovinos, passando de 651 mil cabeças para 660 mil, e Parauapebas, município-sede da microrregião, avançou de aproximadamente 111 mil para pouco mais de 119 mil cabeças.