Oposição consegue mais uma vez adiar discussão da reforma da Previdência

Relator da matéria vai se reunir com os membros da comissão para tentar construir um acordo que garanta a aprovação da admissibilidade da matéria na CCJC
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Ao constatar que tem menos votos que o governo, a oposição, desde a abertura dos trabalhos na manhã desta quarta-feira (17), na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC), imprimiu forte obstrução aos trabalhos na sessão de discussão da reforma da Previdência (PEC 6/2019). Foram apresentadas nove propostas alternativas ao texto do governo, como havia adiantado ao Blog do Zé Dudu, o deputado federal Cássio Andrade (PSB-PA), vice-líder do partido na Câmara dos Deputados e suplente na comissão.

Diante do impasse, o presidente da CCJ, Felipe Francischini (PSL-PR), suspendeu a reunião e convocou para a próxima terça-feira (23) a retomada da discussão sobre a proposta do Executivo para reforma previdenciária.

Ficou acordado que o próprio relator da proposta, deputado Delegado Marcelo Freitas (PSL-MG), negociará diretamente com os parlamentares e líderes partidários as propostas alternativas ao seu parecer que já foi lido no plenário da comissão. A oposição, apresentou 13 votos em separado, em contraponto ao parecer apresentado no último dia 9.

Tumulto

A oposição pediu a suspensão dos trabalhos por ausência do relator. Francischini alegou que ele registrou presença, mas estava em reunião para debater pontos do relatório. Uma confusão se instalou. Deputados da esquerda invadiram a Mesa, como se tornou costume nos últimos dias para pressionar Francischini, que disse: “A campainha quebrou. Nem a campainha eu tenho mais pra tentar colocar ordem”.

Vários parlamentares usaram os 10 minutos a que tinham direito (membros titulares) e contestam o parecer do relator, deputado Delegado Marcelo Freitas (PSL-MG). Foi questionado, seguidamente, uma ação ensaiada pela oposição, pontos da reforma que podem ser considerados inconstitucionais ou então estão desvinculados da Previdência Social – como o fim do abono salarial para quem ganha mais de um salário mínimo e o fim da multa de 40% do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para quem se aposenta e continua no emprego.

A decisão de adiar a votação e retomar as discussões foi tomada após Francischini suspender a reunião. Até aquele momento, parlamentares contrários às mudanças nas aposentadorias conseguiam adiar o andamento dos trabalhos por mais de uma hora e nove minutos, valendo-se de dispositivos do Regimento Interno, como questões de ordem sobre atas e demais trabalhos. Na véspera, estratégia semelhante estendeu os debates por mais de 12 horas.

Oposição comemora

O relatório do deputado Delegado Marcelo Freitas (PSL-MG) é pela constitucionalidade do texto apresentado pelo governo. A CCJ avalia somente se as propostas estão de acordo com a Constituição Federal. Quem se manifesta sobre o mérito são as comissões temáticas e, no caso de PECs, uma comissão especial instalada na sequência.

Arthur Maia (DEM-BA), que foi relator da reforma apresentada pelo governo Michel Temer, mencionou que a proposta de Temer levou sete dias para passar pela CCJ, enquanto a proposta atual está na pauta da comissão há cerca de um mês.

Para o deputado José Guimarães (PT-CE), o adiamento da votação para a próxima semana, é “uma vitória com ‘V’ maiúsculo”. O líder do PP, Aguilnaldo Ribeiro (PB), comentou com colegas, antes mesmo do anúncio, que não havia a menor possibilidade da votação acontecer nesta quarta. “Eu mesmo já vou embora”. Isso ocorreu por volta das 11h20.

Mudanças

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6/19 pretende reformar o sistema de Previdência Social para os trabalhadores do setor privado e para os servidores públicos de todos os Poderes e de todos os entes federados (União, estados e municípios). A idade mínima para aposentar será de 65 anos para os homens e 62 para as mulheres. Há regras de transição para os atuais contribuintes.

Freitas seguiu entendimento do presidente da CCJ, de que ao colegiado cabe avaliar a compatibilidade do texto com a Constituição (admissibilidade) e que a análise do mérito deve ser feita depois por uma comissão especial. Ele recomendou à CCJ a aprovação da proposta.

Por Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu em Brasília

Publicidade

Relacionados