Operação “Ação Integrada” prende foragido do Pará no Piauí 22 anos após crime

O foragido é acusado de ser o mandante e também participar do assassinato do namorado da prima dele, por quem ele era apaixonado. O crime aconteceu em janeiro de 1999, em Redenção, no sul do Pará
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
José Luiz vivia como nova identidade em Teresina (PI)

Continua depois da publicidade

Em uma operação integrada, a Polícia Civil do Pará e do Piauí prenderam, nesta quarta-feira (12), José Luiz Maciel de Sousa, que estava foragido há 22 anos.  Ele é acusado de ser o mandante e de participar do homicídio de um comerciante em janeiro de 1999, no município de Redenção, no sul do estado.

Segundo a Polícia Civil do Piauí, a vítima era namorada da prima de José Luiz, por quem ele mantinha uma paixão não correspondida. A ação que prendeu o acusado foi denominada Operação “Ação Integrada”.

De acordo as investigações, o acusado tentou apagar o passado e construir uma nova vida em Teresina, capital do Piauí. Utilizando documentos falsos, José Luiz passou a se chamar Madevaldo de Araújo Maranhão.

Ele abriu uma empresa no Distrito Industrial de Teresina, casou e teve uma filha. A aparente tranquilidade vivenciada por ele terminou na manhã desta quarta-feira quando os policiais da Divisão de Capturas da Polícia Civil (Dicap) cumpriram o mandado de prisão expedido pela Justiça do Pará.

“Quando eu dei voz de prisão e perguntei o nome dele, ele falou o falso e eu disse o verdadeiro. Ele ficou estático e surpreso, porque, realmente, depois de 22 anos, já vivendo outra vida, bem sucedida, com esposa, filha, não esperava que seria encontrado”, relatou o delegado Edvan Botelho, da Dicap.

Segundo a polícia, o acusado tinha uma vida confortável em Teresina. Ele possuía um veículo 4×4, uma casa confortável e uma empresa de mineração, no Distrito Industrial de Teresina, atividade que aprendeu a lidar nos tempos que atuava no garimpo paraense.

“Ele tem uma empresa de mineração. Ele é oriundo do estado onde tem garimpo, mexe com prata, com ouro. Na residência dele vimos equipamentos para extração desses minerais e tinha uma boa quantidade de prata, mais ou menos uns cinco quilos de prata”, infirmou o delegado.

Além do crime de homicídio, José Luiz Maciel de Sousa também vai responder agora pelo crime de uso de documentação falsa. A Polícia Civil do Piauí já comunicou à Justiça do Pará sobre o cumprimento do mandado do acusado.

De acordo com as investigações, José Luiz Maciel de Sousa é acusado de mandar matar o comerciante José Alberto de Araújo Brito. O crime ocorreu em Redenção, em janeiro de 1999.  Segundo testemunhas, José Luiz nutria uma paixão obsessiva pela prima, namorada da vítima.

Ainda conforme a acusação, José Luiz teria contratado outras três pessoas, um para fornecer a arma e outros dois para executar o crime. Após várias tentativas, a vítima foi morta a tiros, enquanto dormia na casa da namorada.

Após o crime, José Luiz deixou a cidade de Redenção. “Ele passou uma época no Suriname, foragido. Lá, a família da vítima contratou umas pessoas para matá-lo, que não conseguiram. De lá, ele foi para Manaus e depois veio para Teresina, onde assumiu essa nova identidade”, contou o delegado Edvan Botelho.

Na época, o caso ganhou repercussão nacional e chegou a ser exibido no programa Linha Direta, da Rede Globo, mas o acusado nunca tinha sido localizado, até está quarta-feira, quando foi preso.

Por Tina DeBord

Publicidade