No Dia Internacional da Não Violência contra as Mulheres, Segup destaca ações de proteção à mulher no Pará

Entre as ações, o estado destaca a qualificação de servidores para atender as ocorrências e ações coordenadas com outros órgãos para o enfrentamento da violência contra a mulher, que teve aumento durante a pandemia, por conta do isolamento social, quando as mulheres passaram viver mais tempo com seus agressores
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Nesta quinta-feira, 25 de novembro, é celebrado o Dia internacional da Não Violência contra a Mulher. A data foi escolhida oficialmente pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1999, para homenagear as irmãs dominicanas Pátria, Maria Teresa e Minerva Maribal, conhecidas como “Las Mariposas”.

Elas foram torturadas e assassinadas nesta mesma data, em 1960, a mando do ditador da República Dominicana, Rafael Trujillo. Na época, as três mulheres lutavam por soluções para problemas sociais do país.

No Pará, a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (Segup) celebra a data destacando as iniciativas para combater a violência contra a mulher, por meio de ações ostensivas para acolher as vítimas de violência e celeridade em investigações para punição dos culpados. De acordo com a Segup, com o isolamento social provocado pela pandemia do novo coronavírus, muitas mulheres tiveram que conviver assiduamente com seus agressores, o que provocou um aumento do número de denúncias de violência doméstica durante o período.

Diante desse cenário, a Secretaria destaca que se mobilizou e articulou meios para garantir proteção e amparar essas mulheres vítimas de violência. Segundo a Segup, foi dado enfoque na capacitação dos agentes do Estado e vem sendo feito investimentos em cursos especializados em temas como a Lei Maria da Penha, feminicídio e Estatuto da Criança e do Adolescente.

Recentemente, a Segup destaca que firmou parceria com Instituto de Desenvolvimento Social (Ideso), com a assinatura de um termo de cooperação entre as duas partes na intenção de garantir que os agentes ofereçam amplo amparo aos direitos dessas mulheres. Entre as possibilidades de especialização, há o curso de “Abordagem Policial para atender às mulheres vítimas de violência doméstica”, oferecido especialmente para servidores da Polícia Militar.

Já para os agentes da Polícia Civil, haverá a “Capacitação para o Atendimento às Mulheres Vítimas de Violência Doméstica”. Nos últimos meses, a ação de maior destaque foi a operação “Maria da Penha”, de iniciativa do Ministério da Justiça e Segurança Pública e coordenada pela Segup.

Durante o período de 20 de agosto a 21 de setembro, todos os canais de denúncia foram massificados para melhor atender as vítimas de crimes cometidos contra a mulher, como feminicídio, lesão corporal, ameaça, estupro e descumprimento de medida protetiva. Foram 30 dias de operação, coordenada em Belém e Região Metropolitana, que resultou em 2.897 chamadas por meio do Centro Integrado de Operações (Ciop) 190, e também em 717 prisões preventivas efetuadas.

Ainda segundo a Segup, as ações também se estendem à área tecnológica. Em março de 2020, o aplicativo desenvolvido por dois praças da PM, o ‘SOS Maria da Penha’, foi instalado. Com botão de emergência e outras ferramentas de ajuda rápida, inicialmente o aplicativo ofereceu auxílio a 160 mulheres, que solicitaram medidas protetivas às autoridades do estado.

Com o objetivo de efetivar a participação da segurança pública, foi deflagrada, nos últimos dias 4 e 5 de novembro, a revisão do Plano Estadual de Políticas Públicas para Mulheres. O evento, que reuniu agentes de diversos órgãos estaduais, promoveu debates na intenção de articular melhores estratégias no enfrentamento a violência doméstica, a exemplo da Patrulha Maria da Penha, Inteligência Artificial Rápida e Anônima (IARA), entre outros.

De acordo com a Segup, o maior número de ocorrências reflete também uma maior conscientização da população em realizar denúncias, por meio de campanhas e operações desencadeadas pelo estado, a exemplo da Operação Maria da Penha. O objetivo é melhorar ainda mais a rede de atendimento a melhor, assim como dá mais celeridades em investigações para punição dos culpados.

Tina DeBord- com informações da Segup