São Félix do Xingu: Agricultoras e técnicos da Semas recebem capacitação

A formação atende a um dos pilares do Programa Territórios Sustentáveis, que visa proporcionar desenvolvimento de forma sustentável no meio rural, por meio de ações de apoio técnico aos produtores do interior do estado
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Agricultoras de São Félix do Xingu, no sul do Pará, e técnicos da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), que atuam na política de ação integrada do Programa Territórios Sustentáveis (TS), estão passando com capacitação realizada pelo governo do estado em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). As capacitações começaram nesta segunda-feira (29) e seguem até esta sexta-feira (03).

O curso de Restauração Florestal em Propriedades Rurais do Pará é voltado para os técnicos da Semas. Já os cursos de Gestão Financeira da Propriedade e Fundamentos do Cooperativismo são direcionados as produtoras rurais das cooperativas e associações do município de São Félix do Xingu.

As capacitações são um dos pilares estratégicos do programa “Territórios Sustentáveis”, que objetiva proporcionar desenvolvimento de forma sustentável no meio rural, por meio de ações de apoio técnico aos produtores do interior do estado. O programa faz parte do Plano Estadual Amazônia Agora, do governo do estado.

Na programação da semana de treinamento está incluída uma roda de conversa sobre planejamento participativo de área. Também está confirmada uma palestra sobre coleta, beneficiamento, armazenamento e germinação de sementes florestais, junto com a prática de escarificação das sementes – técnica utilizada no tratamento de sementes.

Segundo um dos palestrantes da capacitação, pesquisador de Manejo e Conservação Florestal da Embrapa, Ademir Ruschel, o curso promovido esta semana adota técnicas eficientes e apropriadas à realidade do agricultor, desde a preparação da área e acesso aos grãos vegetais para plantio. “Recomendamos a complementação de plantio direto de sementes. Isso elimina os custos da produção e transporte de mudas. Nossa missão é socializar o conhecimento sobre o tema de restauração de áreas degradadas, partindo do conhecimento e técnicas desde a obtenção e preparação de propágulos (estruturas que se desprendem de uma planta adulta para dar origem a uma nova planta, geneticamente idêntica à planta de origem), de estratégias de implementação e monitoramento de área de restauração florestal, especialmente as Áreas de Preservação Permanente (APPs) e de Reserva Legal (ARLs)”, explica o pesquisador.

De acordo com a bióloga da Semas, Ana Carla Souza, o modelo de negócio em cooperativismo é de enorme importância econômica para os agricultores. Ela observa que, de acordo com o IBGE, 48% do PIB do campo passa por cooperativas.

Ela também explica a importância de incentivar as cooperativas femininas da região do Xingu. “Unidas, as mulheres produtoras rurais do Xingu terão mais força tanto no poder de compra quanto de venda, e ainda existem legislações específicas para compras governamentais voltadas para cooperativas. Logo, o objetivo do curso está voltado à capacitação das produtoras para que possam compreender que este modelo de negócio é uma alternativa para se colocarem mais competitivas no mercado”, ressalta a bióloga da Semas.

Participando a capacitação, a produtora Francisca Sousa, que faz parte da Associação dos Produtores Rurais Aliança do Xingu (Aprax), avalia os primeiros dias dos cursos de forma positiva. “Teve várias atividades que realizamos em grupo e aprendi muito. Os palestrantes foram maravilhosos para explicar as coisas. Eu, como mulher, me sinto muito orgulhosa de participar do curso. Através dessas capacitações a gente consegue ter um futuro melhor”, acredita a agricultora.

Mariana Oliveira, economista da Semas e palestrante do módulo I, destaca que o objetivo das capacitações do TS voltadas para as agricultoras visa ajudar as mulheres administrar seus negócios. “O propósito é ajudar mulheres, que compõem a agricultura familiar, a administrar suas propriedades a partir da capacitação financeira. Assim, elas poderão reconhecer o desempenho dos seus empreendimentos e tomar decisões mais assertivas”, frisa Mariana, que está ministrando palestras sobre Gestão Financeira no Campo, Fundamentos da Gestão Financeira e Fluxo de Caixa.

Tina DeBord- com informações da Semas

Deixe seu comentário

Posts relacionados