Mulher mata marido com facada no peito e foge em mototáxi

O mariticídio se deu em meio a uma discussão que começou, após "Nico do Açaí" ter ido buscar Jéssica Pereira no terminal rodoviário de Parauapebas
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on print

Continua depois da publicidade

Um mariticídio aconteceu na noite de ontem, segunda-feira (3), na Rua Ruy Barbosa, Bairro Guanabara, em Parauapebas. Era pouco antes de 19h quando, ao chegar de viagem com a filha, uma menina de dois anos de idade, Jéssica Teixeira Pereira matou, com uma certeira facada no peito, o marido Otiniel Cunha Barata, 32 anos, o “Nico do Açaí”. O crime se deu em meio a uma discussão cujo motivo até o momento é desconhecido. Após o assassinato, a mulher pegou a filha e fugiu em uma mototáxi. A Polícia Civil investiga para saber o paradeiro de Jéssica e prendê-la.

O assassinato foi registrado pelo primo de Otiniel, Márcio Andrade do Nascimento Barata. Ele conta que os dois, mais um amigo, estavam tomando cerveja e jogando sinuca na tarde de ontem, enquanto Otiniel aguardava a hora em que Jéssica chegaria de Moju, para buscá-la e à filha no terminal rodoviário.

Jéssica havia ido àquela cidade para os funerais e uma tia e também para visitar a mãe. Na hora marcada, o amigo que estava bebendo com os primos, se dispôs a ir com Otiniel, de carro, buscar a mulher no terminal.

Ao chegarem à casa do casal, segundo Márcio, Jéssica já desceu do carro com a cara emburrada e mal falou com ele, entrando, em seguida, com o marido no imóvel, iniciando uma discussão. “Eles começaram a discutir e eu ouvi uns barulhos estranhos, resolvi entrar na casa e Jéssica estava com uma faca de açougueiro na mão. Meu primo, então, me pediu para sair e disse que logo voltaria lá para fora com a gente”, conta Márcio, que saiu da casa.

Cerca de cinco minutos depois, ainda segundo ele, Jéssica gritou por socorro. Márcio conta que entrou na casa novamente e viu o primo no chão, ensanguentado, enquanto Jéssica, desesperada gritava: “Matei meu marido. Por favor, me ajuda, matei meu marido”. Logo depois, pegou a filha no colo, saiu para a rua, chamou uma mototáxi que passava e fugiu.

Márcio e o amigo colocaram Otiniel em um carro e o levaram ao Hospital Municipal de Parauapebas, onde os médicos o operaram e, durante quatro horas tentaram salvar-lhe a vida. Mas, Otiniel sofreu três paradas cardiorrespiratórias e morreu por volta da meia-noite. “Os médicos explicaram que a facada atingiu o coração e o pulmão”, contou Márcio Barata, lembrando que o primo certamente “não acreditou que a mulher fosse capaz” de esfaqueá-lo.

Segundo ele, Otiniel Cunha Barata estava em Parauapebas, onde trabalhava com venda de açaí, havia seis anos, era muito benquisto com a vizinhança e outras pessoas do bairro e estava guardando dinheiro para em ampliar a casa e comprar um carro, “tudo para dar mais conforto à mulher e à filha”.  O corpo de Otiniel está sendo trasladado para Moju, de onde ele é natural, para sepultamento.

Por Eleuterio Gomes – de Marabá  

Publicidade