MP faz busca e apreensão em residência de servidor da Câmara de Tucuruí

Ademildo Medeiros é alvo de investigação por supostas fraudes ocorridas no Instituto de Previdência dos Servidores do Município de Tucuruí (Ipaset).
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Uma operação do Ministério Público do Pará, com apoio da Polícia Civil, realizada na manhã desta quinta-feira (21) no município de Tucuruí deu cumprimento a mandado de busca e apreensão na casa do servidor da Câmara Municipal Ademildo Medeiros. Segundo a promotora Lorena Moura, o objeto da investigação é uma série de denúncias de fraudes ocorridas no Instituto de Previdência dos Servidores do Município de Tucuruí (Ipaset), de onde Medeiros foi servidor na gestão do ex-prefeito Sanclair Ferreira. O próprio Sanclair Ferreira já foi denunciado pelo Ministério Público do Pará em ação ajuizada pela promotora Amanda Luciana Sales Lobato.

Oito policiais civis deram apoio à operação desta quinta-feira, ajudando na apreensão de documentos, computadores, telefones celulares e produtos de mídia. A ação causou impacto na cidade, sobretudo em servidores municipais que já foram testemunhas, mais de uma vez, do envolvimento do instituto de previdência em casos de polícia. O atual superintendente do Ipaset, José Miranda da Silva, é categórico ao comentar a operação: “O Ipaset tem um passado sombrio”.

O desafio de Miranda, que já foi presidente do Sindicato dos Servidores Municipais antes de ser escolhido pelo prefeito Artur Brito para sanear o Ipaset, é equacionar uma dívida derivada da soma de muitos escândalos, desvios e improbidades administrativas que chegam ao espetacular valor de R$ 90 milhões. “São débitos históricos, parcelamentos não cumpridos, fraudes, uma série de problemas deixados como herança maldita e que desestabilizam as finanças municipais”, diz Miranda.

Tantas irregularidades chamaram a atenção da Receita Federal e culminaram com auditoria atualmente em curso no Ipaset com previsão de terminar no final deste mês. “Estes problemas vêm-se acumulando desde a época da fundação do Instituto. Já houve prisão de gestores, indiciamentos e denúncias de ex-superintendentes e servidores, como foi o caso de hoje. Na gestão do prefeito Artur Brito estamos fazendo o possível para sanear o instituto e cumprir com as obrigações da dívida. Mas não é fácil. Pelo menos os repasses atualmente estão todos em dia”, garante o superintendente.

Discute-se agora o parcelamento dos débitos. Esse debate vai envolver a Câmara de Vereadores, para onde foi enviado projeto de lei que pretende alterar dispositivos constituídos, a fim de facilitar a gestão do instituto. O vereadores vão tratar do assunto numa reunião com sindicatos e com a prefeitura marcada para o próximo dia 27.

Segundo Miranda, para cumprir as obrigações com os ativos mensais e com o parcelamento, a prefeitura teria de desembolsar por mês cerca de R$ 2,7 milhões. Com uma arrecadação própria em queda (somente o ICMS desabou de 9 milhões para 6 milhões) e frequentes revisões nos repasses federais, a prefeitura estuda uma fórmula de sobrevivência.

“Problemas como o do Ipaset abalam as finanças municipais. Afetam nossa capacidade de fazer investimentos. Não tem jeito. Temos a obrigação de sanear o instituto, pagar as dívidas e manter os repasses, dentro da legalidade. É um grande desafio e estamos empenhados nisso. Até agora, nesta gestão, não houve qualquer denúncia de irregularidades. Mas ainda convivemos com fantasmas do passado, que assombram a economia de Tucuruí”, desabafa o prefeito Artur Brito.

O fantasma desta quinta-feira tem nome e sobrenome e eles podem ser vistos em uma portaria afixada no quadro de avisos à entrada do Ipaset. O documento, assinado pelo superintendente Miranda, informa a quem interessar possa uma decisão datada de 19 de outubro de 2018: “Suspender a aposentadoria do servidor Ademildo Alves de Medeiros, cessando todo e qualquer pagamento decorrente dessa aposentadoria”. Não foi à toa, portanto, que Ademildo recebeu hoje a visita do Ministério Público.

Publicidade

Relacionados