Ministério Público do Pará vai realizar concurso este ano

Informação é do procurador-geral de Justiça, Gilberto Valente, que acompanhou na Alepa votação de projeto que cria 20 cargos comissionados no órgão
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on print

Continua depois da publicidade

O Ministério Público do Estado do Pará (MPPA) está com edital pronto para, no mês que vem, lançar concurso para preenchimento de 40 vagas de nível médio em cargo efetivo. A última vez que o órgão realizou concurso para ensinos médio e superior foi em 2012 para 283 vagas. Outro certame programado para este ano visa à contratação de promotores de Justiça. Possivelmente, serão 15 vagas.

A informação é do procurador-geral de Justiça, Gilberto Valente Martins, que nesta terça-feira, 23, esteve na Assembleia Legislativa para acompanhar a votação do Projeto de Lei nº 14/2019, que cria 20 vagas, em comissão, para assessores das promotorias de Justiça de 3ª entrância, em Belém. Cargos que devem ser exercidos por bacharéis em Direito.

A matéria foi aprovada em todos os turnos à unanimidade de votos dos 33 deputados presentes na sessão. “A proposta dessa lei é fazer com que os promotores de Justiça tenham mais resolutividade nos seus trabalhos. O apoio das assessorias é fundamental para o desenvolvimento das pesquisas, elaboração dos pareceres. E o atendimento ao público em geral fica mais dinamizado”, justificou Gilberto Valente.

Sobre os concursos, o procurador-geral de Justiça explicou que o Ministério Público depende de orçamento para as contratações. Para este ano, a receita estimada do órgão é de R$ 526,4 milhões, dos quais 70% vão para gastos com pessoal. “Temos uma expectativa de abrir concurso público para promotores de Justiça ainda este ano, possivelmente para 15 vagas, e isso atende parcialmente. Ocorre que nós temos limites financeiros, limites orçamentários. Com a queda da arrecadação que nós tivemos no Estado, no ano passado, não foi possível viabilizar esse concurso logo para o início do ano”, disse Gilberto Valente

A contratação de 20 assessores, acrescentou o procurador-geral, irá atender parcialmente as demandas das promotorias em Belém, com despesas por conta das dotações orçamentárias do próprio MPPA, respeitando-se o limite da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Reclamação

Durante a discussão do projeto, a deputada Marinor Brito (PSol) aproveitou a presença de Gilberto Valente para apelar ao MPPA por maior celeridade dos processos. Ela citou casos que tramitam no órgão há muitos anos, sem que nenhuma resposta tenha sido dada à sociedade, como a situação de alunos da comunidade de Ilha Grande, que estão assistindo aulas “num bar”.

Gilberto Valente reconheceu que o MPPA tem “algumas deficiências, sem dúvida nenhuma”, mas ele assegurou que o órgão tem buscado se estruturar para atender todo o Pará. “Nós cobrimos quase todos os municípios do Estado do Pará. São poucas as comarcas que não estão hoje com promotores de Justiça titulares”, afirmou o procurador, que mencionou estatística do Conselho Nacional do Ministério Público “em que a resolutividade do nosso Ministério Público do Pará está entre as melhores do Brasil”.

Por Hanny Amoras – Correspondente do Blog em Belém

Publicidade