Medrado ratifica informação do Blog: “não houve delação premiada à “Boi de Ouro”.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

No dia 26 de maio passado Parauapebas amanheceu repleta de agentes do Gaeco – Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado – quando foi colocada em ação a Operação Filisteus, que culminou com as prisões dos vereadores José Arenes (PT) e Odilon Rocha de Sanção (SDD), além do empresário Edmar Cavalcante, dono do supermercado Baratão, suspeito de participar de um esquema de corrupção na Câmara Municipal de Parauapebas durante a gestão de Josineto Feitosa, ex-presidente daquela casa, preso durante a segunda etapa da “Operação Filisteus”.

Dois dias após as prisões, o jornal Correio do Tocantins publicou, com exclusividade, vasta matéria sobre o ocorrido, afirmando, inclusive, que Edmar Cavalcante teria feito um acordo de delação premiada com o Ministério Público.

Sob o título Boi de Ouro” dedura fraudes em Parauapebas, o jornal afirmava que “suas fontes em Parauapebas e Belém, consultadas separadamente, revelaram que Boi de Ouro resolveu entregar o esquema enquanto estava preso ainda em Parauapebas e tudo que falou foi gravado e depois encaminhado para um juiz da cidade para homologação”.

A matéria publicada pelo CT foi amplamente repercutida pelos meios de comunicação em Parauapebas. Rádios, TV’s, jornais, Blogs e sites apenas repercutiram a afirmação do CT.

No mesmo dia, o Blogger consultou o advogado de Edmar Cavalcante que estava em Belém acompanhando seu cliente. Ele foi categórico em afirmar que não havia sequer sido proposto ao seu cliente o acordo de delação premiada. O blogger também procurou a Vara Penal de Parauapebas. Lá também recebeu a negativa que teria sido homologado qualquer acordo nesse sentido. 

Munido dessas informações, o Blog publicou o post “Defesa de Boi de Ouro nega delação premiada anunciada pelo Jornal Correio do Tocantins”. A notícia contestando a delação parece ter atingido em cheio o editor do jornal, Patrick Mascarenhas, que no outro dia usou o sistema de rádio do grupo a que o jornal faz parte para ratificar a informação publicada e, de certa tentar descrediblizar a informação postada neste Blog.

Durante matéria veiculada no Programa Fantástico, no domingo (14/6) sobre a “Operação Filisteus”, que mostrava imagens de Edmar Cavalcante supostamente entregando parte do esquema na Câmara Municipal de Parauapebas, a repórter escalada para fazer a matéria afirmou que “Boi de Ouro” havia feito acordo de delação premiada.

Na segunda-feira o Blogger recebeu várias mensagens e telefonemas de pessoas confrontando a informação do Blog sobre a delação de Edmar. Pelo simples fato do Fantástico ter ratificado a informação do jornal Correio do Tocantins, a informação do Blog, claro, seria a incorreta.

Na semana passada a “Operação Filisteus” cumpriu sua segunda etapa em Parauapebas. Após o compartilhamento de informações oriundas de escutas telefônicas, o juiz Libio Araújo Moura, da Vara Penal da Comarca de Parauapebas decretou a prisão do vereador Josineto Feitosa. Cumprida a prisão, agentes do Gaeco e o Procurador de Justiça Nelson Medrado participaram de uma entrevista coletiva para pormenorizar informações acerca desta segunda etapa da operação.

Questionado se houve acordo de delação premiada a Edmar Cavalcante, Medrado respondeu :“a delação premiada é um instrumento de investigação que também é um direito do réu. Não tenho conhecimento desse acordo feito entre o preso e o Ministério Público Estadual, mas seria bem-vindo se algum dos presos quiser colaborar com as investigações. O MPE estará disponível para ouvir e confirmar. Mas será preciso checar a veracidade do que for dito e submeter a informação à um juiz, que definirá se as informações se enquadram em uma delação premiada para que a transação penal possa acontecer e para que o delator receba algum benefício. Não se trata apenas de alguém sentar na frente do interrogador e ir falando coisas para se beneficiar. Não queremos apenas um delator que fique apontando as pessoas. Tem que falar e apresentar as provas, que deverão ser confirmadas por nós. Até agora não há nenhuma delação premiada homologada por juiz no caso dos presos na Operação Filisteus”, conclui Medrado.

O Blogger ratifica que as informações aqui postadas são checadas de forma exaustiva para que estas não sejam contestadas no futuro. Fazendo dessa forma, a credibilidade adquirida por este Blog ao longo desses quase sete anos não será maculada.

   

Publicidade