Marabá: Com previsão de alta do nível do rio esta semana, abrigos mudarão de lugar

Segundo a Defesa Civil, com o nível chegando a 13,5 m esta será a maior cheia em 18 anos. Todas as equipes envolvidas já se preparam para evitar maiores danos à população
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O Boletim Informativo de Vazões e Níveis do Rio Tocantins, divulgado pela Eletronorte, nesta terça-feira (4), apontando que o nível das águas deve atingir a marca dos 13,25 metros até a próxima sexta-feira (7), deixou a Defesa Civil de Marabá ainda mais em alerta, direcionando novas ações e estratégias para atender as famílias atingidas pelas cheias.

Até o momento, as cheias dos rios Tocantins e Itacaiúnas desabrigaram mais de 350 famílias. Na manhã de ontem, o nível do rio atingiu os 11,50 metros acima da normalidade.

Diante da previsão da Eletronorte, o prefeito Sebastião Miranda Filho – Tião Miranda – e o Comitê de Gerenciamento de Riscos decidiram suspender a construção de abrigos na Marabá Pioneira. Na entrada do bairro, na Praça Paulo Marabá, começaram a ser construídos 80 barracos, agora, por enquanto, permanecerão apenas 40, devido às novas previsões.

“Com 13 metros, dada a experiência que temos e a topografia da região da Velha Marabá, é muito provável que boa parte, até 50% da área, seja atingida pela enchente. Estamos aqui recomendando que não sejam mais feitos abrigos nos locais, que comumente se faz todos os anos, uma vez que corre o risco de a água atingir e haver um segundo desastre. Esperamos que a população entenda que haverá sim uma necessidade de deslocamento de abrigos”, enfatiza o comandante 5º Grupamento Bombeiro Militar, major Marcos Felipe Galúcio de Souza.

O comitê reforça que, com 13 metros, muitos locais da Marabá Pioneira, a exemplo do bambuzal, trechos da orla, e até ruas próximas ao centro comercial serão tomados pelas águas, por isso, o município já providenciou duas áreas maiores e elevadas para iniciar a construção dos abrigos, que atenderão as famílias.

“Em conjunto, Defesa Civil, Estado, Exército, optamos mudar a programação de abrigos. Construir esses abrigos na Nova Marabá e Cidade Nova. Temos pontos na Folha 33, muito altos, e na avenida Sororó, no núcleo Cidade Nova. Vamos ampliar também o que já está em andamento. Não vamos mais construir abrigos na Velha Marabá, por causa das previsões da Eletronorte”, informa o coordenador do Comitê.

Até esta terça-feira, a Defesa Civil de Marabá e o Exército realizaram mais de 350 mudanças e até o início da noite já haviam outras 325 programadas. Para o serviço, o município conta com 20 caminhões. As famílias estão sendo levadas para os oito abrigos oficiais da prefeitura (Obra Kolping, Borges Informática, Folha 31, 5 de Abril, Folha 32, Praça Paulo Marabá, São Félix e Folha 14). Vale ressaltar que existem 3 abrigos montados por desabrigados, sem autorização da Prefeitura, inclusive em locais com risco de alagamento.

Importante enfatizar ainda que a Seaspac – Secretaria de Assistência Social, Proteção e Assuntos Comunitários – já está trabalhando no cadastramento das famílias atingidas para o acolhimento com colchões, kits de higiene, distribuição de cestas básicas e atendimento médico.

(Com informações da Secom PMM)