Jovem assassinado com tiro no peito em meio a briga de bar em Parauapebas

O rapaz, que veio do Maranhão, estava na cidade havia oito meses e ontem prometeu passar o Dia das Mães com o irmão, mas, em vez disso, passou o domingo bebendo
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O braçal João Lucas de Oliveira Rocha, 19 anos, natural de Buriticupu (MA), morreu, na noite de ontem, domingo 10, vítima de disparo, provavelmente de espingarda, no peito. O autor ainda não foi identificado pela polícia. O caso aconteceu em meio a uma briga de bar, por volta das 22h, na localidade Parque das Cachoeiras, zona rural de Parauapebas, distante 28 quilômetros do centro da cidade.

Segundo o borracheiro Jefferson Kennedy de Oliveira Rocha, 26, irmão de João Lucas, o rapaz chegou a Parauapebas há oito meses, para trabalhar. Ele morava no Bairro Cidade Jardim e, no sábado (9), teria ido para a borracharia em que Jefferson Kennedy trabalha para passar o Dia das Mães com o irmão.

Porém, na manhã de domingo, começou beber e, já por volta das 19h, bastante embriagado, João Lucas teria passado a afrontar a todos que estavam no bar. Depois, deixou o local e se dirigiu até a borracharia, onde estava Jeferson, passando a procurar seu facão.

“Eu tentei evitar que ele voltasse para o bar e ele tentou me matar. Então, eu corri. Minha mulher também tentou impedir e ele cortou ela no braço. Então, deixei ele aqui [na borracharia] e fui levar minha esposa no hospital. Minutos após, nós chegamos na UPA e recebi uma ligação dando conta que ele havia sido morto aqui na frente da borracharia”, conta Jefferson, acreditando que o irmão tenha sido perseguido e assassinado.

Ele lembra que o irmão estava no bar acompanhado de um conhecido de apelido “Vaqueirinho” e soube que, no mesmo local, havia um homem que começou a se dizer mais valente que os demais, o que teria estimulado João Lucas, já tomado pelo álcool, a se sentir ofendido e tentar reagir. O caso está sendo investigado pela Polícia Civil.

(Caetano Silva)    

Publicidade