Ibope volta a Belém e Marabá amanhã para nova fase de estudo da Covid

Levantamento realizado pela Universidade Federal de Pelotas vai passar também por Altamira, Santarém, Castanhal, Breves e Redenção para checar, de novo, o alastramento do coronavírus
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Desde ontem (27) até o próximo domingo (30), entrevistadores do Ibope vão voltar a campo em Belém, Marabá e outras cinco cidades paraenses para realizar a quarta fase do estudo de Evolução da Prevalência de Infecção por Covid-19 no Brasil (Epicovid19-BR). O levantamento será feito simultaneamente em 133 municípios brasileiros e é coordenado pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), que realiza pesquisa em série para conhecer a proporção de casos de coronavírus na população dos principais centros urbanos.

Além de estimar o percentual de brasileiros infectados com o coronavírus, o estudo permite determinar o percentual de infecções assintomáticas, avaliar os sintomas mais comumente relatados pelos infectados e analisar a velocidade de disseminação do contágio ao longo do tempo. A quarta etapa da pesquisa tem financiamento do programa Todos pela Saúde, fundo criado pelo Itaú para apoiar o enfrentamento da Covid-19 no Brasil.

Dados da terceira etapa da pesquisa revelaram em julho que o pior já havia passado em algumas cidades paraenses. Na fase 1, por exemplo, o município de Breves chegou a ser o campeão do país em infecção por coronavírus, onde 25% da população já havia se infectado. Naquela fase, 15,5% da população de Castanhal e 15,2% da população de Belém também já tinham tido contato com a Covid-19.

Na segunda fase, cinco dos sete municípios paraenses contabilizavam taxa de contágio superior a 10%. Além de Breves, Castanhal e Belém, entraram para o time Marabá e Santarém. Só Altamira e Redenção detinham percentuais mais baixos. Na terceira fase, houve desaceleração em Breves, Castanhal, Belém e Marabá, mas crescimento em Santarém, Altamira e Redenção.

Os indícios do avanço do vírus em solo paraense não pararam por aí. Um recente estudo divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e analisado pelo Blog do Zé Dudu (reveja aqui) mostra que 1,29 milhão de paraenses tiveram sintomas conjugados e assemelhados aos de Covid entre maio e julho, ainda que a maioria não tenha procurado atendimento médico. O levantamento do IBGE também mostrou que o número de paraenses que tiveram apenas um dos sintomas clássicos que podem sugerir Covid foi de 3,097 milhões de pessoas. Apesar disso, até julho só 221 mil diziam ter testado positivo para a doença, o que, ainda assim, é muito mais que as cerca de 200 mil confirmações feitas até hoje pelo governo estadual.

Publicidade