Governo Darci vai investir R$ 3 milhões para turbinar agricultura familiar

A mandioca, um dos produtos que serão alvo de investimentos, responde hoje por metade do faturamento agrícola gerado por Parauapebas, de acordo com pesquisa nacional de agricultura
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Fora do circuito urbano, onde são tocadas grandes obras de infraestrutura pela prefeitura, como o Programa de Saneamento Ambiental de Parauapebas (Prosap), maior gerador de empregos pelo setor público no Pará, o governo de Darci Lemen também foca em valorizar a atividade do homem do campo. Tanto que, por meio da Secretaria Municipal de Produção Rural (Sempror), a prefeitura vai realizar um pregão na sexta-feira da semana que vem, dia 19, para comprar insumos que devem dar gás ao desenvolvimento da agricultura familiar local.

As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu, que observou o investimento de R$ 3,006 milhões na compra de sementes de milho e de feijão, hortaliças e hastes de mandioca para atender a projetos de produção vegetal implantados no município e dar apoio no desenvolvimento de módulos produtivos agrícolas, com o devido acompanhamento de assistência técnica aos agricultores familiares.

Segundo a prefeitura, os insumos serão entregues pela empresa ganhadora, de forma parcelada e conforme a necessidade, no Centro Tecnológico da Agricultura Familiar (Cetaf), localizado às margens do Km 22 da PA-160, sentido a Canaã dos Carajás. As sementes e hastes de mandioca serão utilizadas em projetos de fomento ao plantio de 4.830 hectares, beneficiando 2.415 famílias, sendo, 1.800 hectares para o plantio de milho, 530 hectares para o plantio de feijão e 2.500 hectares para o plantio de mandioca.

O Blog apurou que, no ano passado, o governo Darci separou orçamento de R$ 29,251 milhões para a agricultura, mas não chegou a utilizar sequer metade dele. Foram liquidados R$ 13,63 milhões, a maior parte na área de abastecimento (R$ 13,043 milhões). Para este ano, a prefeitura programou R$ 1,095 milhão para fortalecer as ações do Cetaf e R$ 9,295 milhões com vistas ao desenvolvimento e à verticalização da produção agropecuária.

Números da produção local

Dados da mais recente pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 2019, sobre produção agrícola em nível municipal, revelam que a produção comercial de feijão caiu pela metade em uma década, passando de 1.185 toneladas em 2009 para 540 toneladas em 2019. A produção física de mandioca também estagnou em 45 mil toneladas no mesmo período, enquanto a de milho passou de 6.129 toneladas para 8.845 toneladas.

Entre as três culturas, a mais expressiva em termos de ganhos financeiros foi a da mandioca, cujo faturamento passou de R$ 4 milhões para R$ 64 milhões no período, representando metade de toda a produção agrícola movimentada anualmente por Parauapebas, na ordem de R$ 126,6 milhões, segundo levantamento realizado pelo Blog do Zé Dudu.

Publicidade