Governo Darci fecha 1º semestre com R$ 763 milhões arrecadados

Embora faturamento de Parauapebas tenha sido maior que o de 5.518 prefeituras brasileiras e, também, maior da história, contas fecharam com rombo de R$ 21,5 milhões, findando jejum de lucros consecutivos. Porém, déficit deve ser revertido no 2º semestre com aumento de receitas.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O dinheiro público que entrou nos cofres da Prefeitura de Parauapebas na primeira metade deste ano é mais que suficiente para garantir a existência de 99,1% das 5.568 prefeituras brasileiras. Comandada por Darci Lermen, a administração do maior produtor de minério de ferro de alto teor do globo realizou exatos R$ 763.834.111,81 líquidos entre 1º de janeiro e 30 de junho. Esse é o resultado do balanço orçamentário consolidado pelo governo municipal e ao qual o Blog do Zé Dudu teve acesso com exclusividade, após conferir e analisar o calhamaço de anexos que constam do relatório de execução orçamentária referente ao 3º bimestre encaminhado pela prefeitura a órgãos fiscalizadores.

O volume de recursos públicos — que a própria administração pensou que fosse diminuir por conta da pandemia do coronavírus — é recorde. Hoje, Parauapebas tem a 50ª prefeitura mais rica do país e atropela governos que atendem mais de meio milhão de habitantes, como as prefeituras de Jaboatão dos Guararapes (PE), que arrecadou R$ 673.741.897,39 no 1º semestre; Serra (ES), que acumulou R$ 654.239.645,56; Aparecida de Goiânia (GO), que ajuntou R$ 584.827.127,14; e o conterrâneo Ananindeua, que viu R$ 430.157.651,09 líquidos entrarem na conta corrente nos primeiros seis meses deste ano.

Considerada uma das administrações mais bem-sucedidas do Brasil em termos financeiros, a Prefeitura de Parauapebas arrecadou R$ 156.864.567,20 em janeiro, R$ 134.793.061,37 em fevereiro, R$ 136.272.767,79 em março, R$ 111.741.816,95 em abril, R$ 111.204.913,76 em maio e R$ 112.956.984,74 em junho. O mês mais fraquinho do governo Darci, maio, já seria suficiente para pagar as contas de um ano inteiro de 105 (73%) das 144 prefeituras do Pará. Nem mesmo uma prefeitura antiga, como a de Conceição do Araguaia, consegue superar a receita líquida de um mês apenas em Parauapebas.

Pandemia quebra jejum de lucro fiscal de 2 anos

Mesmo com sucesso financeiro frente aos tempos difíceis da pandemia, a prefeitura arrecadou menos que o previsto para o período de seis meses, notadamente no 3º bimestre, quando enfrentou os meses mais duros da pandemia. Isso fez com que o período de maio e junho fechasse com rombo nas contas da ordem de R$ 21.503.547,44. O rombo acontece quando as despesas tornam-se maiores que as receitas primárias. Esse resultado destoa da meta fiscal da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que previu para este ano superávit nas contas de R$ 4.301.760,00. Também é o pior resultado em mais de dois anos consecutivos de lucro fiscal.

Mas nem tudo está perdido: apesar do déficit reportado pela Prefeitura de Parauapebas no 3º bimestre, o governo Darci Lermen ainda tem pela frente mais três períodos de execução orçamentária para reverter o resultado. Há claros indicativos de que tudo possa melhorar neste segundo semestre.

Os royalties de mineração estão vindo mais recheados e a fatia do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que estava acuada, começou a se reerguer. Além disso, a segunda metade do ano é o período em que tradicionalmente as receitas crescem mais. Tudo indica que a gestão de Lermen será salva pelo gongo.

Publicidade