Foragido de do Rio grande do Norte é capturado em Parauapebas

Ele cometeu crimes de trânsito em Mossoró, foi condenado, mas ficou em liberdade condicional, porém não pagou a multa que faz parte da condenação
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Durante patrulhamento pela Avenida Havan, no Bairro Vila Rica, na noite de ontem, terça-feira (25), uma equipe de rondas em motos, do 23º Batalhão de Polícia Militar, prendeu Salomi Caldas de Oliveira, de 31 anos de idade. Ele é natural de Parauapebas, mas responde por crimes de trânsito em Mossoró, no Rio Grande do Norte. Contra ele, havia Mandado de Prisão não cumprido, expedido pela Justiça potiguar.

Durante o patrulhamento, os policiais militares abordaram um grupo de três homens que estava na rua. Na revista pessoal nada foi encontrado. Porém, os PMs notaram que Salomi demonstrava certo nervosismo e pesquisaram a identificação dele no Sinesp (Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública).

Imediatamente ficaram sabendo que contra ele havia um Mandado de Prisão, em aberto, expedido pela 1ª Vara Criminal da Comarca de Mossoró (RN). Salomi Caldas de Oliveira, foi conduzido à 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil para a tomada de medidas legais a fim de que ele seja recambiado para o Rio Grande do Norte.

Salomi foi condenado, em 2017, por dirigir embriagado e sem habilitação, crimes previstos no Código de Trânsito Brasileiro, nos artigos 306 e 309, cujas penas, somadas, podem chegar a quatro anos de prisão. Porém, não chegou a ficar preso, estava em liberdade condicional.

Entretanto, além das penas de detenção, ele tinha de recolher multa no valor de R$ 212,75, como parte da condenação, mas não o fez mesmo tendo sido citado por três vezes. Por esse motivo, a Justiça pediu a prisão dele, que agora será efetivada.

Essa é a segunda vez que Salomi é processado pela Justiça no Rio Grande do Norte. A primeira, foi em 2007, quando foi envolvido num crime de execução, também em Mossoró, ao pilotar a moto em que estava o matador. Julgado em 2013, ele foi absolvido da acusação de coautoria do crime.

(Caetano Silva)

Publicidade