Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Marabá

Fake news da “cagada” na praia dá B.O. e responsável vai responder na Justiça

Administrador envolveu vários órgãos da Prefeitura de Marabá e turistas de Parauapebas ao fazer de conta que a mensagem era da PMM

Na manhã desta quinta-feira, dia 26 de julho, uma pessoa da Secretaria de Comunicação da Prefeitura de Marabá está registrando Boletim de Ocorrência contra o administrador da página “Carajás da Zuera” no Facebook. É que na última terça-feira, 24, foi publicado um post polêmico que transmitia a mensagem: “Não caguem na Praia do Tucunaré. Toda vez que você caga na praia, um parauapebense morre”. Um jovem de óculos e com a mão fazendo sinal de “pare” completava a imagem.

Visualizada por centenas de pessoas, a mensagem foi disseminada rapidamente por outras redes sociais, como Instagram e Whatsapp. Um dos problemas mais graves é que ela fazia crer que tratava-se de uma publicação oficial da Prefeitura de Marabá, por meio da Secretaria de Comunicação.

A publicação postulava-se como “realização” da Prefeitura de Marabá, com logomarca do município, da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e do Conselho Municipal de Turismo, passando uma controversa mensagem de oficial, tendo apenas uma logo com a frase “Apoio: Carajás da Zuera”.

Por orientação da Progem (Procuradoria Geral do Município) a SECOM enviou um emissário à Seccional de Polícia Civil para registrar ocorrência e outras medidas judiciais estão sendo analisadas para responsabilizar o administrador da página e, principalmente, servir de advertência para quem usa desse tipo de artifício nas redes sociais, conjugando a imagem de instituições sérias alcançar credibilidade.

A publicação trazia, ainda, um texto que enfatizava que a “Prefeitura de Marabá, por meio da Secretaria Municipal de Turismo de de Meio Ambiente deu início nesta terça-feira, 24, a campanha de conscientização para que a população pare de ‘cagar’ na Praia do Tucunaré.

Usando palavras e referências impróprias, a postagem levou muitas pessoas a risadas, mas outras ficaram ofendidas. Ao final, dava como fonte a Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Marabá.

Veja também:  Em parceria entre governo e prefeitura, Defensoria Pública inaugura nova sede

Uma das pessoas responsáveis pelas redes sociais da PMM entrou em contato com o administrador pelo Messenger do Facebook e  solicitou, amigavelmente, que a postagem fosse retirada, alertando sobre o crime por uso indevido de imagem, informando em seguida que o Boletim de Ocorrência seria registrado. De fato, na mesma noite, a imagem continuava na página, mas já sem a referência à Prefeitura de Marabá.

Na noite desta quarta-feira, 25, a Reportagem do blog conversou, também pelo Messenger, com o administrador da página, que não quis revelar seu nome nem a cidade onde mora, alegando que não teve intenção de macular a imagem da Prefeitura de Marabá. Todavia, ao ser informado que o boletim de ocorrência seria registrado mesmo assim, escreveu o seguinte: “Só acho que a prefeitura devia ficar mais interessado (sic) em resolver problemas da cidade, ao invés de ir atrás dessas picuinhas”.

Informou que usou o nome “parauapebense” como referência porque o fato de esta cidade não ter uma praia, faz com que muitos moradores de lá venham para a Praia do Tucunaré, em Marabá, e acabam reclamando da quantidade de fezes que desce o rio, incomodando quem toma banho em frente às barracas tradicionais do balneário. “Usamos o humor através dos memes para contar a realidade vivida entre entre Marabá e região de Carajás”, justificou.

O secretário de Comunicação da Prefeitura de Marabá, Alessandro Viana, informou que o responsável pela página já foi identificado e que a delegada disse que o administrador será intimado para prestar depoimento na delegacia.

Ulisses Pompeu – de Marabá

Seja o primeiro a escrever um comentário

  1. Uma imbecilidade retumbante de quem fez esse tipo de postagem de mau gosto, preconceituosa, idiota, xenofóbica, idiota e despropositada. Merecia uns dias na cadeia, em Parauapebas, de preferência.

Deixe uma resposta