Extração ilegal de madeira em unidades de conservação de Carajás gera mais de R$400 mil em multas

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Em apenas sete dias, agentes de fiscalização do Instituto Chico Mendes (ICMBio), Ibama, guarda florestal da Companhia Vale e policia militar de Parauapebas embargaram nove madeireiras e aplicaram R$ 411 mil em autuações, em operação de combate à extração ilegal de madeira nas cinco unidades de conservação que formam o Mosaico de Carajás, nas proximidades do Rio Itacaiúnas, Quatro Bocas e Plano Dourado, nos municípios de Itupiranga e Marabá.

Na operação, 12 serrarias foram fiscalizadas, das quais apenas uma apresentava a licença de operação. Outra estava desativada e nove, além de não apresentar a licença, foram flagradas com estoque de castanheira, espécie ameaçada de extinção, nos seus pátios ou com toras disfarçadas entre estoques de madeiras beneficiadas. Dentre as espécies encontradas estavam: amarelão, angico, tatajuba, muiracatiara, melancieiro, ipê, louro rosa e burangi.

Foram computados 609,9 metros cúbicos de madeira in natura (toras) e 663,19 metros cúbicos de madeira beneficiada (serrada), totalizando R$ 411 mil em autuações. A extração ilegal da madeira põe em risco a área do entorno das unidades de conservação de Carajás, principalmente a área adjacente à Reserva Biológica do Tapirapé.

Publicidade

Posts relacionados