Extração ilegal de madeira em unidades de conservação de Carajás gera mais de R$400 mil em multas

Em apenas sete dias, agentes de fiscalização do Instituto Chico Mendes (ICMBio), Ibama, guarda florestal da Companhia Vale e policia militar de Parauapebas embargaram nove madeireiras e aplicaram R$ 411 …

Em apenas sete dias, agentes de fiscalização do Instituto Chico Mendes (ICMBio), Ibama, guarda florestal da Companhia Vale e policia militar de Parauapebas embargaram nove madeireiras e aplicaram R$ 411 mil em autuações, em operação de combate à extração ilegal de madeira nas cinco unidades de conservação que formam o Mosaico de Carajás, nas proximidades do Rio Itacaiúnas, Quatro Bocas e Plano Dourado, nos municípios de Itupiranga e Marabá.

Na operação, 12 serrarias foram fiscalizadas, das quais apenas uma apresentava a licença de operação. Outra estava desativada e nove, além de não apresentar a licença, foram flagradas com estoque de castanheira, espécie ameaçada de extinção, nos seus pátios ou com toras disfarçadas entre estoques de madeiras beneficiadas. Dentre as espécies encontradas estavam: amarelão, angico, tatajuba, muiracatiara, melancieiro, ipê, louro rosa e burangi.

Foram computados 609,9 metros cúbicos de madeira in natura (toras) e 663,19 metros cúbicos de madeira beneficiada (serrada), totalizando R$ 411 mil em autuações. A extração ilegal da madeira põe em risco a área do entorno das unidades de conservação de Carajás, principalmente a área adjacente à Reserva Biológica do Tapirapé.

Deixe seu comentário