Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Parauapebas

Estudantes do Projeto Criança Ambientalistas visitam área do Novo Encanto

Para incrementar o Projeto Crianças Ambientalistas, o CEAP buscou parceria com a Associação Novo Encanto, podendo assim trazer as crianças em uma aula de campo

A ação faz parte da grade curricular oferecida no PCA – Projeto Criança Ambientalista, desenvolvido pelo Centro de Educação Ambiental de Parauapebas, tendo como objetivo levar as crianças e sentirem na prática o que já aprendem em sala de aula. O Projeto, voltado para a educação infantil, trabalha a temática “Água, sua importância tanto para a natureza quanto para o ser humano”.

Assim, para incrementar o Projeto Crianças Ambientalistas, o CEAP buscou parceria com a Associação Novo Encanto de Desenvolvimento Ecológico, podendo assim trazer as criança em uma aula de campo para que vejam como se vive ecologicamente correto. “A Novo Encanto tem o propósito de resgatar a vivência que tivemos em tempos de outrora de viver em contato com a natureza.

Assim, a gente desenvolve este trabalho aqui em Parauapebas para demonstrar para nossos associados e a sociedade que tem como o ser humano, querendo, viver em harmonia com a natureza, de forma ecologicamente correta colocando o ser humano dentro deste nincho”, explicou Alexandre Rodrigues, voluntário na Associação Novo Encanto de Desenvolvimento Ecológico.

Na visita à área da Associação Novo Encanto de Desenvolvimento Ecológico, as crianças acompanharam desde a coleta seletiva de resíduos à sua transformação em adubo orgânico pelo processo de compostagem. Visitaram ainda o minhocário onde, através da criação de minhocas californianas, é produzido o húmus, um tipo de adubo 100% natural; além do tratamento de água usada tanto em pias quanto em vasos sanitários; a mata ciliar, às margens do igarapé, também foi mostrada aos estudantes. “A ideia de trazer as crianças aqui foi para elas sentir-se no meio natural e assim conviver com o que já havia lido em livros, assistido em vídeos ou ouvido falar. Aqui elas puderam aprender muito mais, na prática”, resumiu Fraciedson Pólvora.

Deixe uma resposta