Equipes de saúde de Marabá devem passar por capacitação no manejo clínico do zika vírus

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Após confirmação de casos de microcefalia na região de Carajás, e diante da suspeita de um caso em Marabá, a Secretaria de Saúde daquela cidade realiza, no próximo dia 16, uma capacitação no manejo clínico da febre do zika vírus para médicos e enfermeiros da rede pública.

Estes, por sua vez, serão multiplicadores para os agentes comunitários de saúde das informações obtidas na capacitação, com o objetivo de que os profissionais reforcem e orientem os moradores da cidade acerca dos sintomas do zika vírus.

De acordo com o Departamento de Vigilância em Saúde, as ações em Marabá já iniciaram com visita domiciliar dos agentes comunitários, no que diz respeito ao controle do mosquito Aedes Aegypti [transmissor dessa e de outras doenças], para que mantenham as residências limpas, sem água parada, para evitar criadouros do inseto.

Uso de mosqueteiros, repelentes, manter portas e janelas fechadas a partir das 17 horas, colocar telas nas janelas são algumas providências que ajudam a evitar as doenças provocadas pelo mosquito, inclusive a dengue e chikungunya.

A população deve estar atenta também à suspeita do zika vírus, que se forma a partir de três ou mais sintomas, simultâneos, sendo os mais frequentes: febre baixa (até 38 graus); erupções cutâneas avermelhadas e pruriginosas (até 48 horas após o primeiro sintoma); dor de cabeça; dores no corpo; vermelhidão nos olhos, tipo conjuntivite; dores nas articulações; e edema de membros.

A Secretaria de Saúde de Marabá informou ainda que, independentemente da febre do zika vírus, sempre houve casos de microcefalia, em pequena proporção [ 0,5% do total de anomalias] no município.

Parauapebas

Já em Parauapebas, dois casos de microcefalia foram confirmados nesta quarta-feira (09) pela Secretaria de Saúde. Os bebês nasceram nos meses de setembro e novembro, sendo um de parto prematuro. Segundo Núbia Maria Lima, coordenadora do Departamento de Vigilância Ambiental e Controle de Endemias de Parauapebas, a mãe da criança nascida no mês passado contraiu o zika vírus durante a gravidez.