Em oito horas, Polícia Militar tira quatro vadios das ruas de Parauapebas

Os párias, além de tirar tudo das vítimas, ainda batiam nelas e as chamavam de vagabundas
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

A Polícia Militar tirou, entre a noite de ontem, segunda-feira (11) e a manhã de hoje, terça-feira (12), mais quatro assaltantes das ruas de Parauapebas: um maior e três adolescentes. Os primeiros a carregarem o peso da lei foram Gerlan dos Santos Carvalho,18 anos de idade, natural de Bom Jesus do Tocantins, e o irmão dele, um adolescente de 17 anos

Era por volta das 22h30 de ontem quando uma guarnição da Guarda Municipal informou ao CCO (Centro de Controle Operacional) que prendeu uma dupla de indivíduos suspeitos de serem assaltantes, mas eles conseguiram escapar.

Imediatamente, uma guarnição das Rocam (Rondas Ostensivas com o Apoio de Motos) foi alertada e passou a procurar os suspeitos, que estavam em uma moto Honda Biz. A dupla foi encontrada e abordada e, com eles, os policiais militares encontraram uma garrucha calibre 22, tendo os PMs constatado que eles se preparavam para cometer assaltos. Gerlan, querendo dar uma de joão sem braço, disse à Reportagem do Blog que “não sabia” que o irmão adolescente estava armado.  Ambos foram entregues ao delegado de plantão da 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil.

Já, por volta das 6h30 desta terça-feira (12), uma guarnição da PM, formada pelo sargento Antônio e pelo cabo Feitosa, apreendeu em flagrante delito uma dupla de adolescentes, ambos de 15 anos, que estava espalhando o terror no Bairro Cidade Jardim. Além de assaltar, eles xingavam as vítimas e batiam nelas, fazendo ameaças de morte a todo instante.

Quando foram pegos, os dois estavam assaltando uma padaria, de onde já haviam tomado dinheiro do proprietário, tornado reféns várias pessoas, espancando outras e chamando a todos de “vagabundos” quando os verdadeiros vadios são eles.

Outra vítima da dupla de vagabundos juvenis contou que também foi espancada e destratada por eles: “Encostaram a arma na minha cabeça, me encostaram no poste, bateram na minha cara e me chamaram de vagabundo. Minha única reação foi chorar por ter sido chamado de vagabundo, apanhado na cara”, contou o homem, que pediu para ter a identidade preservada.

Os vadios ainda tentaram se desfazer da arma, um revólver calibre 38, quando foram flagrados pela PM, mas não deu certo. Com eles, que também foram entregues na Polícia Civil, a PM encontrou cinco celulares e dinheiro arrancado das vítimas.

(Caetano Silva)

Publicidade

Relacionados