Em abril, royalties da Prefeitura de Canaã vão aumentar 100%

Já a Prefeitura de Parauapebas vai receber menor repasse em nove meses. Valores que serão creditados nos próximos dias ainda não pegam efeitos corrosivos da pandemia do coronavírus.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Parece mentira, mas é verdade: a cota da Compensação Financeira pela Exploração Mineral (Cfem) que a administração de Jeová Andrade vai receber este mês, no valor de R$ 39,45 milhões, é o dobro do recebido no mesmo mês do ano passado, quando ingressaram nos cofres públicos aproximadamente R$ 19,7 milhões.

O Blog do Zé Dudu foi às contas nesta quarta-feira (1º) para apurar o volume de royalties que vai cair na conta corrente das prefeituras mineradoras nos próximos dias, com base na produção declarada pelas mineradoras em março à Agência Nacional de Mineração (ANM), e concluiu: nenhum governo verá crescimento proporcional de receitas como o de Canaã dos Carajás. É 100% de aumento no faturamento em relação a 2019. As informações foram levantadas em primeira mão pelo Blog. As cotas da Cfem só serão oficialmente calculadas e divulgadas pela ANM a partir de segunda-feira (6) e o pagamento é previsto para sexta-feira (10).

O aumento singular no recolhimento da compensação pela Prefeitura de Canaã deve-se à expansão da produção de minério de ferro na mina de S11D, assinada pela multinacional Vale. A empresa caminha para atingir a capacidade nominal do empreendimento estreado há menos de quatro anos. E segue firme, remunerando a administração de Jeová Andrade conforme extrai recursos minerais da Serra Sul de Carajás e, também, da Serra do Sossego, onde lavra cobre em concentrado.

Apesar do destaque de Canaã, a Prefeitura de Parauapebas continua na liderança. O governo de Darci Lermen vai ver entrar no caixa este mês R$ 44,38 milhões. É muito dinheiro, ainda assim é o menor valor de royalties decorrente de produção mensal dos últimos nove meses, conforme levantou o Blog. A última vez em que a administração de Parauapebas vira menos de R$ 45 milhões em Cfem na conta foi em julho, quando recebeu R$ 29,78 milhões — sem contar setembro, quando não recebeu um centavo por conta de problemas no orçamento da União e cujo montante daquele mês, R$ 63,58 milhões, foi pago junto com a compensação do mês seguinte.

Marabá tem maior queda desde maio de 2019

Quem também apresentou queda na arrecadação de royalties foi a Prefeitura de Marabá, que vai receber agora em abril R$ 4,41 milhões, o menor valor deste maio do ano passado. Mas vale lembrar que, fora dessa conta que considera apenas produção, Marabá ganha cerca de R$ 1,5 milhão em Cfem mensalmente como compensação por ser município diretamente afetado pelas operações de minério de ferro da Vale em Parauapebas e em Canaã dos Carajás. Isso porque o município é cortado “de cabo a rabo” pela Estrada de Ferro Carajás (EFC), que atende prioritariamente às minas das serras Norte e Sul de Carajás.

Outras prefeituras que vão faturar valores superior a R$ 1 milhão em Cfem este mês são Oriximiná (R$ 1,829 milhão), Itaituba (R$ 1,798 milhão) e Juruti (R$ 1,036 milhão). Ao todo, as mineradoras vão injetar R$ 97,07 milhões diretamente nos municípios este mês. É o menor volume do ano.

O governo de Curionópolis segue sendo o que apresenta maior redução no recolhimento de royalties do Brasil, em razão da paralisação das atividades na mina SL1, na Serra Leste de Carajás, empreendimento da Vale. Este mês, o governo local vai receber apenas R$ 194,5 mil, dez vezes menos que o faturamento habitual médio na época em que a Vale estava presente. Ressalte-se que atualmente Curionópolis ainda recebe algum royalty porque sedia operações da mineradora Avanco.

Cabe lembrar que os royalties a serem pagos este mês ainda não vêm com os efeitos da pandemia do novo coronavírus sobre a produção das mineradoras. É certo, entretanto, que nos próximos meses haverá redução tanto de compensação para as prefeituras quanto de arrecadação de impostos diversos e recebimento de transferências vindas da União.

Publicidade