Dossiê mostra os números assustadores da violência contra os defensores dos direitos humanos no País

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Por Eleutério Gomes – de Marabá

Aconteceu na noite de ontem (4), no Campus I da Unifesspa (Universidade Federal do Sudeste do Pará), a apresentação, pelo Comitê Brasileiro de Defensoras e Defensores de Direitos Humanos (CBDDDH), do Dossiê “Vidas em luta: criminalização e violência contra defensoras e defensores de direitos humanos no Brasil”.

De acordo com o dossiê, em 2016, no País, 66 defensoras e defensores de direitos humanos foram assassinados e 64 foram ameaçados ou criminalizados.

Na oportunidade foram lançados o “Caderno de Conflitos no Campo Brasil 2016”, da Comissão Pastoral da Terra (CPT), e o site do CBDDDH – www.comiteddh.org.br, que contém notícias, denúncias, artigos e relatórios sobre a defesa de direitos humanos em todo o país, além de um mapa com os casos de assassinatos, ameaças e criminalizações praticados contra defensores, divididos por região.

Marabá foi escolhida para abrigar o evento, segundo os organizadores, “por estar situada no sudeste paraense, área com o maior índice de violência contra ativistas e movimentos sociais do país”.  A região foi cenário de dos dois maiores massacres no campo da história recente brasileira: o Massacre de Eldorado dos Carajás, em 17 de abril de 1996, que resultou na morte de 19 trabalhadores sem-terra, e da Chacina de Pau d’Arco, “que tirou a vida de dez trabalhadores pelas mãos da Polícia Militar no dia 24 de maio deste ano”.

Segundo Laiza Queiroz, assessora jurídica da ONG Terra de Direitos, e integrante do Comitê, o maior número dos casos de violência de 2016 – 88% – está concentrado nas regiões Norte e Nordeste do País, contra trabalhadores rurais, indígenas e comunidades tradicionais, nas áreas de expansão do agronegócio.

Já em 2017, ainda de acordo com Laiza, à exceção do assassinato de nove trabalhadores em Comisa, no Mato Grosso, no Centro-Oeste, o Norte e Nordeste registrou o mesmo número de casos de violência com muitos homicídios em Rondônia e no Pará e violência contra povos indígenas no Maranhão. A partir da apresentação desses dados, o Comitê espera que os movimentos sociais e as organizações se articulem a fim de dar visibilidade e denunciar o que está acontecendo no Brasil e garantir a proteção dos defensores dos direitos humanos, que vivem hoje um cenário muito cruel.

José Batista Afonso, advogado da CPT no sul e sudeste do Estado, diz que o aumento do número de assassinatos no campo, assim como outros tipos de violência, está associado a diversas causas, entre elas, o caos fundiário em que vive o Pará, porque os órgãos de terras que teriam competência para resolver essas questões não têm condições para fazê-lo.  “Iterpa e Incra estão totalmente inoperantes e incapazes de solucionar o problema fundiário complicado que existe no Estado. Outra situação que preocupa é a impunidade. Ou seja há um número muito grande de assassinatos no Pará, mas os casos investigados e os culpados punidos, ficam na margem de 5%”, denuncia.

Batista afirma ainda que há casos de municípios da região em que já aconteceram vários assassinatos no campo em que a impunidade é de 100%. Isto é, os matadores nunca foram presos nem julgados.  Para ele, o número de defensores dos direitos humanos assassinados só em 2017 – 40 – é outro dado extremamente preocupante porque essas pessoas deveriam ser reconhecidas pelo estado, pois contribuem com a solução dos conflitos sociais: “Quando essas pessoas são impedidas de trabalhar em função de ameaças e assassinatos, isso é extremamente grave porque mostra um estado totalmente inoperante e subserviente aos interesses daqueles que sempre se apropriaram e acumularam as terras e as riquezas no Brasil”.

Números da violência contra defensores dos direitos humanos 

2015

Assassinatos = 50
Ameaças = 144
Tentativas de homicídio = 59 (90% dos casos nos Estados de Rondônia, Maranhão e Pará)

2016

Assassinatos nas regiões Norte e Nordeste = 56
Assassinatos no Norte = 32

2017

Assassinatos = 40

Um dos Estados mais violentos é o Pará. Municípios que mais aparecem no dossiê: Anapu, Novo Progresso, São Domingos do Araguaia e Marabá

Publicidade