Depois de dez anos, empresa rural paraense vai pagar maior indenização referente ao trabalho escravo no Brasil

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

imageO maior valor a ser pago em uma sentença referente a trabalho escravo no Brasil foi fechado, na última segunda-feira (21/10), em acordo celebrado na 2ª Vara do Trabalho de Marabá, da 8ª Região Trabalhista (Pará e Amapá), em sessão presidida pelo juiz federal Jônatas dos Santos Andrade, em que a proposta de acordo feita pelo Ministério Público do Trabalho foi aceita pela empresa executada. A Lima Araújo Agropecuária Ltda concordou em pagar R$ 6,6 milhões por danos morais à trabalhadores de suas propriedades no município de Piçarra.

De acordo com informações divulgadas pela assessoria de imprensa do TRT da 8ª Região, o acordo foi homologado em processo que tramitava desde 2003. O TRT e o Tribunal Superior do Trabalho mantiveram a condenação da primeira instância. Assim, a empresa executada concordou com o acordo proposto pelo MPT, e já depositou a primeira parcela de R$ 1,1 milhão. A dívida trabalhista será paga em seis parcelas anuais de igual valor, e a decisão é irrecorrível.

O caso

O processo teve início em 12 de novembro de 2003, quando foi realizada a primeira audiência da ação civil pública ajuizada pelo MPT, depois de sucessivas  fiscalizações do Grupo Móvel do Ministério do Trabalho e Emprego (MPE), entre os anos de 1998 e 2002. Tais ações resultaram em flagrantes de trabalhadores em situação de escravidão, tendo sido libertados do regime de semi-escravidão 180 trabalhadores, nas fazendas Estrela de Maceió e Estrela de Alagoas, ambas localizadas no município de Piçarra, no sul do Pará.

Diante da reincidência, o MPT pediu indenização a título de danos morais no valor de R$ 22.528.000,00. Na sentença, de maio de 2005, o então juiz titular da 2ª Vara do Trabalho de Marabá, Jorge Antônio Ramos Vieira, condenou a empresa ao pagamento de R$ 3 milhões por dano moral coletivo, mais 10 mil de multa por empregado encontrado em situação irregular.

A empresa recorreu ao TRT-8, que reformou a sentença, dando provimento a recurso do MPT, e majorando o valor da indenização para R$ 5 milhões. Diante disso, a empresa recorreu ao TST, que manteve a sentença do primeiro grau. O valor atualizado devido pela empresa já chegava a R$ 8.920.789,63. Com o acordo celebrado na última segunda-feira, ficou em R$ 6,6 milhões.

2 comentários em “Depois de dez anos, empresa rural paraense vai pagar maior indenização referente ao trabalho escravo no Brasil

  1. marcilene barbosa Responder

    Parabéns, meu querido amigo, o qual eu tenho o maior orgulho de fazer parte do seu círculo de amizades. Sou sua fã, acompanho sua trajetória profissional e sei do seu caráter e da pessoa que luta pelos direitos dos mais humildes. Você é uma autoridade honrada. Parabéns, que Deus possa lhe abençoar ricamente, você e sua família, todos os dias.

  2. João das Neves Alcântara Responder

    Parabéns ao Dr. Jônatas, ao TRT 8ª Região e Ministério Público do Trabalho. Com essa decisão, que muito nos deixa alegres e nos honra, faz-se justiça neste Sul/Sudeste do Pará, lugar de gente decente, mas também de desalmados fazendeiros assassinos.

Deixe seu comentário

Posts relacionados

%d blogueiros gostam disto: